Falar de Segurança Pública está cada vez mais em pauta, a violência que percorre as ruas de todo o país, parece ter chegado em Araranguá. Há uma silenciosa sensação de que a cidade, aos poucos, se torna cada vez mais perigosa, mas o que dizem os números oficiais?

A reportagem do Grupo W3 entrevistou o coordenador da Divisão de Investigação Criminal, Lucas Fernandes da Rosa, para saber estes dados com maior precisão. Buscamos - através de levantamentos de dados, apurar as informações e esclarecer se população tem ou não, motivos para se preocupar.

Direto ao ponto:

Em relação ao mesmo período do ano passado, houve de fato um aumento no número de assaltos a mão armada no município?

O aumento dos roubos foi pequeno em relação ao ano anterior. O país vem sofrendo com o aumento da criminalidade e o Estado de Santa Catarina também sofre com esse fenômeno. Em Araranguá, com relação às ocorrências de roubo, até esta data foram registradas 39. No mesmo período do ano passado havia 33 registros, mas não é possível verificar no sistema quantos deles são com o emprego de arma de fogo.

O que é recomendado para vítima fazer nestas horas? Durante e depois do assalto?

Uma pessoa que é assaltada não deve reagir - a não ser que seja treinada para isso, mas a recomendação é que entregue os bens e resguarde a sua vida.

E imediatamente a vítima deve se dirigir a uma unidade da Polícia Civil e confeccionar o Boletim de Ocorrência, momento que será encaminhada à DIC e terá oportunidade de fazer reconhecimento de suspeitos e passar detalhes dos fatos.

Qual é a punições para quem pratica este tipo de crime?

O roubo majorado com o emprego de arma de fogo está previsto no artigo 157, Parágrafo 2° A, inciso I, do CP. Com pena de 4 a 10 anos de reclusão, com aumento de 2/3.

O que a Polícia Civil tem feito para combater a criminalidade?

Em Araranguá, a Polícia Civil vem exercendo seu papel constitucional em identificar e responsabilizar os autores. Como consta nos dados, Araranguá obteve seis roubos a mais em relação ao mesmo período em 2017. Embora o aumento da criminalidade seja discreto, o cuidado e atenção ainda se fazem necessários.

Fonte: Fotos: Ramom Martins