Na tarde desta quarta-feira, dia 8, a Delegacia de Proteção à Criança, Adolescente, Mulher e Idoso (DPCAMI) de Araranguá atendeu uma ocorrência onde sete adolescentes, de 13 a 17 anos, invadiram uma escola de Araranguá com um simulacro de arma de fogo, agrediram e ameaçaram outro adolescente, de 15 anos, aluno do colégio. Os agressores não eram alunos da instituição de ensino invadida.

De acordo com o coordenador da delegacia especializada, delegado Jair Pereira Duarte, na terça-feira, ele e seus policiais estiveram na mesma escola, conversando o adolescente ameaçado pela gangue. Na ocasião, o jovem não era vítima e sim agressor, pois os professores e diretores estavam sendo coagidos por ele.

“Nós conversamos com a direção e combinamos fazer um trabalho conjunto de orientação e apuração dos fatos, porque muitos professores são intimidados e não vem na delegacia fazer Boletim de Ocorrência (BO) e os fatos acabam ficando sem punição para os alunos”, ponderou o delegado Jair.

Conforme a autoridade policial, a briga iniciou por causa de uma menina e todos os adolescentes envolvidos na ocorrência foram identificados, sendo que três estudam em outra escola e quatro não estudam. A vítima e os sete agressores, um deles com passagem policial, foram conduzidos à delegacia e ouvidos em procedimento investigatório, que será encaminhado ao Ministério Público (MP), para os procedimentos cabíveis.

O delegado Jair revelou que as visitas dos policiais da DPCAMI serão estendidas para todas as escolas do município, estabelecendo uma parceria entre a Delegacia de Proteção à Criança, Adolescente, Mulher e Idoso e os professores e diretores de escolas. “Nós vamos passar em todas as escolas, conversar com os professores e diretores e orientá-los para que tragam à delegacia condutas que representem Ato Infracional, para que a gente consiga apurar e impedir que outros fatos venham a acontecer”, finalizou.

Fonte: Diogo CCR