Na tarde desta quarta-feira (11), dois ladrões de equipamentos de telefonia e internet, foram presos em Balneário Gaivota, pela polícia civil de Sombrio, que também conseguiu recuperar mais de R$ 100 mil em produtos furtados.

Segundo informações, a prisão em flagrante da dupla se deu após uma ação criminosa realizada no município de Três Cachoeiras, no Rio Grande do Sul, onde furtaram aproximadamente R$100 mil, dos mais diversos equipamentos de internet e telefonia móvel, usados nas antenas da empresa TIM.

Conforme a Polícia Civil, o crime além do prejuízo para empresa, também deixou o município gaúcho sem nenhum serviço da operadora, causando grande transtornos na comunicação daquela região.

De acordo com a investigação, após o furto, os bandidos se dirigiram para Balneário Gaivota, em uma casa anexo a uma lavação próxima a um restaurante, onde moravam e escondiam os produtos de furto. Diante dos fatos, os agentes da Polícia Civil de Sombrio, coordenados pelo delegado Luiz Otávio Pohlmann, começaram a realizar diligências e, após confirmação de que os bandidos estariam com esse equipamento, os policiais foram até a casa onde moravam os dois suspeitos.

Na casa, ainda funciona uma lavação e os criminosos estariam abrindo um bar. Os policiais então adentraram no local, abordando os moradores e localizando os equipamentos furtados.

De acordo com a polícia, no local ainda foi encontrado outros produtos também de telefonia, os quais os bandidos, quando questionados, relataram tratar-se de produtos furtados em Blumenau.

Em revista, foi encontrado dentro do carro de um dos homens, um equipamento que estava sendo despachado para Minas Gerais. Um dos presos relatou aos policiais que a dupla realiza furtos em diversas cidades de Santa Catarina e que usam o site Mercado Livre para vender esses produtos.

No momento da abordagem, dentro da residência também foi encontrada uma terceira pessoa, que não foi atuada pelo crime de furto, mas foi presa devido um mandado de prisão, expedido pela cidade de São Paulo por tráfico de drogas.

Também na casa foram encontrados pela equipe da polícia civil, vários equipamentos de trabalhos em altura, cadeirinha de rapel, capacete, materiais usados por profissionais que trabalham em telefones ou internet, além de vasto material de corte, pé de cabra, alicates entre outros.

Conforme os acusados, eles já haviam trabalhado em empresas desses ramos e até mesmo, em algumas das empresas furtadas. Com isso adquiriram grande conhecimento técnico para realização do crime.

O fato de usar a internet para comercializar produtos furtados e/ou roubados, é algo que tem chamado atenção da polícia, já que está sendo uma prática cada vez mais comum, e por esse motivo se orienta a não adquirir nenhum produto de procedência duvidosa, podendo até responder pelo crime de receptação.

Fonte: Diogo CCR