As Polícias Civil e Militar uniram esforços para combater a criminalidade em Balneário Arroio do Silva e realizaram na noite de ontem, sexta-feira (11), uma ação conjunta denominada “Choque de Ordem I”.

A operação que além de combater o crime foi de levar tranquilidade aos moradores do município litorâneo, levou dezenas de policiais civis e militares para às ruas do Arroio. Os trabalhos que duraram aproximadamente três horas, foram coordenados pelos delegados Marlon Bosse e Vandilson Moreira da Silva, pelo Sargento Passos e pelo Tenente Faber.

Após se reunirem em frente ao destacamento da PM do Arroio, o comboio seguiu para o trevo de entrada da cidade, onde uma barreira policial foi montada e vários veículos foram abordados e revistados.

Na sequência, os policiais foram para a Vila Isabel, no Loteamento Mangueirinha, onde realizaram uma varredura em várias ruas, abordando pessoas em atitude suspeita. Da Vila Isabel, as autoridades seguiram até a DPMU do Arroio, onde se dividiram em duas equipes, uma seguiu para o bairro Erechim e outra para a Praia da Meta.

No bairro Erechim, nenhuma irregularidade foi constatada, já em um bar, localizado na Praia da Meta, os policiais encontraram cigarros contrabandeados sendo comercializados. O proprietário do estabelecimento comercial foi encaminhado à Central de Plantão Policial de Araranguá, onde foi ouvido e liberado. Também foi realizada a apreensão dos cigarros, bem como o encaminhamento do produto apreendido à Polícia Federal de Criciúma, para apuração do crime de contrabando.

Conforme o delegado Vandilson, a Polícia Civil e a Polícia Militar continuarão diuturnamente realizando operações, a fim de trazer segurança e tranquilidade à população, combater a criminalidade em especial o tráfico de drogas e capturar pessoas que tenham mandados de prisão em aberto.

Já de acordo com o delegado Marlon, a operação mostrou a união de esforços e atribuições institucionais, em face de um objetivo comum, que é o de combater a criminalidade e reforçar na população local a confiança a ser depositada nas forças policiais.

Fonte: Diogo CCR