Um casal foi preso por volta das 20 horas de ontem, quarta-feira, após tentar corromper uma conselheira tutelar de Balneário Arroio do Silva. O Padrasto, acusado de estuprar e enteada desde os sete anos, tentou comprar uma conselheira tutelar para que ela convencesse a vítima, que atualmente tem 15 anos, a mudar o depoimento. A mãe da menina também foi presa, pois participou junto com o marido da corrupção ativa.

Um Inquérito Policial (IP) foi instaurado pela DPMU de Balneário Arroio do Silva, no início deste ano, após chegar denúncia no Ministério Público de que uma adolescente de 15 anos era estuprada pelo padrasto desde os sete anos de idade, com o provável conhecimento da mãe.

Conforme revelou o delegado Jair Pereira Duarte, titular da Delegacia de Proteção à Criança, Adolescente, Mulher e Idoso (DPCAMI) de Araranguá, uma medida protetiva determinando que o padrasto não poderia se aproximar da vítima já havia sido descumprida pelo agressor na última semana, quando foi pedida a prisão preventiva do homem. “A decisão judicial ainda não saiu e a mãe da vítima procurou uma conselheira tutelar de Balneário Arroio do Silva em duas oportunidades e em uma destas ofereceu duas propriedades para a conselheira e disse também que tinha muito dinheiro, caso ela convencesse a vítima a mudar seu depoimento”, falou o delegado.

Na tarde deste ontem, quarta-feira dia 22, a mulher do acusado e mãe da adolescente, procurou a conselheira mais uma vez e um encontro foi marcado para o fim da tarde, na casa do homem. A conselheira tutelar avisou os policiais sobre o que estava acontecendo e então, realizaram campana. A conselheira conseguiu gravar a conversa, onde o acusado ofereceu dois terrenos e também ameaçou de morte a enteada, caso fosse preso.

Padrasto e a mãe da vítima foram presos em flagrante pelos policiais da DPCAMI e da DPMU do Balneário Arroio do Silva, em uma operação coordenada pelo delegado Jair Pereira Duarte, que atuou o homem por corrupção ativa e coação no curso do processo, as penas cumuladas chegam aos 16 anos de prisão e a mulher por corrupção ativa, com uma pena de 12 anos de prisão. Em nenhum dos dois crimes cabe fiança e ambos permanecem presos na Central de Polícia de Araranguá, onde serão encaminhados nesta quinta-feira para audiência de custódia.

Fonte: Diogo CCR