Repercutiu em todo estado, a notícia da denúncia oferecida pelo Ministério Público contra o delegado Jorge Giraldi, coordenador da Divisão de Investigação Criminal-DIC de Araranguá. O delegado é acusado de ter assassinado Ivonete Mezari Genuíno, de 25 anos, executada com três tiros na cabeça e um no braço, dentro do próprio carro e ao lado da filha de somente um ano e cinco meses na época. O MP pediu ainda a prisão preventiva do delegado, alegando que por conta de sua influência na sociedade, poderia atrapalhar o andamento das investigações.

O fato gerou espanto e comoção estadual. O assunto foi o mais comentado na internet ontem e ganhou as redes sociais. Na fan page da Revista W3, centenas de compartilhamentos e dezenas de comentários, a maioria deles em favor do delegado. No site www.revistaw3.com.br, foram quase 40 mil acessos na reportagem sobre o assunto. A internauta Regiane Vidal comentou: “Pode ter defeitos, mas não dava mole pra bandidos e traficantes. Agora a bandidagem vai querer tomar de conta”.

A internauta Mila Alves também se posicionou na mesma linha: “Se ele é culpado desse crime eu não sei, mas que ele é um ótimo delegado e que sem ele Araranguá fica muito pior... Isso tenho certeza”.

Delegado está de férias diz advogado

Gian Carlos Goetten Setter

Em entrevista à Revista W3, o advogado de defesa do delegado, Gian Carlos Goetten Setter, comentou sobre a reabertura do caso, que ocorreu em 2012. “A Defesa ainda não teve conhecimento da denúncia, pois toda documentação foi entregue no fim da tarde de segunda-feira, 11. O que soubemos inclusive pela própria mídia, foi que existe também um pedido de prisão preventiva feito pelo MP. Quem decide se aceita a denúncia e o pedido de prisão é o Juiz que ainda não se manifestou em relação ao caso” explicou o advogado.

Gian disse ainda que o delegado está cumprindo férias do trabalho, não foi afastado de suas funções, mas por recomendação da própria defesa, pediu gozo de licenças que estavam em atraso. “Depois do período de 30 dias de férias ele vai ficar três meses gozando de licenças que não tirou durante os mais de 30 anos de trabalho em prol da segurança pública” afirmou.

Pedido de prisão preventiva

O advogado revela que o requerimento com o pedido de licença foi entregue à Polícia Civil ainda na semana passada. “Ao se afastar de suas funções como delegado, meu cliente prova que não quer exercer qualquer influência sobre as investigações do caso e que torce realmente para que ele seja esclarecido, pois somente assim não existirão dúvidas sobre sua inocência. Diante da minha experiência de mais de 15 anos como advogado, não percebo motivação para pedir prisão preventiva de um delegado que é extremamente conhecido na cidade e sempre teve boa conduta na carreira policial. Isso nos causou certa apreensão”, disse.

Gian explicou ainda, que se a denúncia do MP virar processo, a defesa vai trabalhar para mostrar a inocência de Giraldi. “Acredito que o juiz aceite a denúncia e isso é salutar, pois vamos conseguir mostrar a inocência do meu cliente que sempre foi respeitado em todo estado por ser muito combativo ao crime e justamente por ter esse estilo acabou ganhando a admiração de muita gente, mas também o ódio de tantos outros. Em razão da profissão não faltam inimigos ao delegado” finalizou o advogado de defesa.