A tarde ensolarada deste sábado, dia 26, foi marcada por uma tragédia. Um garoto de 13 anos desapareceu nas águas de um lago formado em antiga jazida, localizada na Estrada Geral Caverazinho em Araranguá.

Segundo informações colhidas em primeira mão pelo site Contra o Crime que esteve no local, três garotos com idades entre 12 e 13 anos, todos moradores do bairro Lagoão, resolveram se refrescar neste lago formado pela extração de areia, na antiga jazida. Na beira, o local é raso mas, ao andar três metros dentro da água há um local de profundidade de 20 metros.

Os jovens estavam no local raso, foram entrando, quando João Vítor Castanho Rodrigues de 13 anos, que não sabia nadar, começou a se debater e pedir socorro. Os amigos ainda tentaram salva-lo, mas o garoto de 13 anos submergiu sem voltar à superfície.

Outros jovens que estavam no local, procuraram casas próximas para pedir socorro, porém o garoto não foi mais visto. O fato aconteceu por volta das 16h30min e imediatamente o Corpo de Bombeiros foi chamado.

Os socorristas de Araranguá, Criciúma e Içara chegaram em várias viaturas, trouxeram Jet Sky e quatro mergulhadores varreram o local onde o jovem foi visto pela última vez. Várias linhas como se fosse arrastão foram realizadas durante mais de três horas.

Por volta das 19h40min, após incessante trabalho, os mergulhadores localizaram o corpo de João Vítor nas proximidades de onde havia se afogado, há uma profundidade de pouco mais de dois metros.

Além de muitos curiosos, pessoas moradoras da redondeza acompanharam aflitos os trabalhos do Corpo de Bombeiros. Alguns oraram pedindo para que o corpo fosse encontrado logo.

A mãe da vítima estava trabalhando quando o afogamento aconteceu e foi avisada por conhecidos e familiares por telefone. Ela, acompanhada de mais dois filos chegaram por volta das 18h15min e desesperada acompanhou os trabalhos dos mergulhadores até que o corpo do filho fosse localizado.

O desespero tomou conta dos familiares que se debruçaram sobre o corpo do menino e a tristeza se espalhou aos que acompanhavam o resgate no local. O Instituto Médico Legal (IML) foi acionado e recolheu o corpo e a mãe da vítima passou mal, tendo que ser socorrida e encaminhada ao Hospital Regional de Araranguá.

No local há placas arrancadas de informação de que naquele local é proibido o banho, devido a profundidade.