Os delegados Jair Pereira Duarte e Jorge Giraldi, mais o agente de Polícia Civil, Jaques Douglas de Oliveira, foram até a cidade gaúcha de São Leopoldo, onde prenderam Fabrício Viana Leandro, de 23 anos, nesta quinta-feira, dia 1º. Fabrício é acusado de ser um dos assassinos do jovem Érick Kanã Xavier da Silva, de 15 anos, que aconteceu em Arroio do Silva, no dia 12 de junho. O acusado estava foragido.

De acordo com o delegado Jair Pereira Duarte, Fabrício foi preso preventivamente pela participação no homicídio e também pela participação no crime de ocultação de cadáver. Outro acusado de participação no assassinato do adolescente, Alisson Elias, de 21 anos, foi preso nesta terça-feira, dia 30, quando foi prestar depoimento como testemunha no Fórum de Araranguá e lá verificaram que havia o mandado de prisão preventiva expedido contra ele.

Um terceiro suspeito de envolvimento no homicídio de Érick, um adolescente de 16 anos, já havia sido apreendido no dia 3 de agosto pela Polícia Civil. Agora, com a prisão de Fabrício, todos os três apontados na investigação como autores do homicídio estão atrás das grades.

O delegado Jair Pereira Duarte declarou que todos os pedidos de apreensão e de prisão preventiva foram analisados pelo Ministério Público e decretados de forma muito rápida pelo Poder Judiciário, o que contribuiu e auxiliou na investigação do caso, que foi um dos mais complexos que ele já trabalhou.

Relembre o caso

Érick foi brutalmente assassinado, provavelmente no início da madrugada do dia 12 de junho e seu corpo foi encontrado de manhã, às margens da estrada de chão que liga Arroio do Silva ao Loteamento Paiquerê. As primeiras informações que chegaram para a polícia davam conta de que Érick havia saído para ir a uma festa, que aconteceu em uma casa particular, localizada há cerca de 2 quilômetros de onde o corpo foi encontrado. A festa foi organizada por Fabrício, aconteceu em uma casa de aluguel de sua avó e seria para comemorar seu aniversário.

A família de Érick revelou que o jovem mentiu que iria a um encontro da igreja que frequentava e que passaria a noite lá. Porém Érick saiu de casa para ir à festa, localizada em Areias Brancas, com uma amiga, uma adolescente de 16 anos. Foi a primeira festa de Érick, que não era acostumado a beber e também não tinha nenhum registro de Ato Infracional.

A investigação

A investigação policial que identificou os três como autores do assassinato de Érick, foi presidida, de início pelo delegado Gustavo Kaiber e após pelo delegado Jair Pereira Duarte, que ficou no caso até o final. Agentes da Delegacia de Arroio do Silva, da Divisão de Investigação Criminal (DIC) de Araranguá e da Delegacia de Proteção à Criança, Adolescente, Mulher e Idoso (DPCAMI) de Araranguá trabalharam na investigação que foi bastante complexa.

A Polícia Civil descobriu que Érick foi brutalmente agredido em um corredor, ao ar livre, em uma propriedade ao lado da festa, que o adolescente estava embriagado e que no local havia mais de 150 pessoas. Pelo menos três carros com som alto, tocando funk e música eletrônica, muita bebida alcoólica, nenhuma comida e também droga havia na festa. Em Érick foram encontradas marcas de esganadura no pescoço, lesões na cabeça, nas costas e nos pulsos. No final do mês de junho, três homens foram presos temporariamente, para auxiliar nas investigações e após liberados, um deles foi Fabrício, que é morador de Arroio do Silva e estava foragido em São Leopoldo.

Na construção do assassinato houve dois momentos, em um primeiro, Érick foi brutalmente espancado pelo adolescente de 16 anos e deixado inconsciente e nu no local do crime. Em um segundo momento chegaram Fabrício e Alisson, que é morador de Araranguá, eles se depararam com Érick nu e inconsciente no local, onde mais agressões foram registradas, inclusive esganadura.

Após o homicídio, os participantes da festa se evadiram e dois deles, após irem a um lual, na Praia da Caçamba, retornaram e desovaram o corpo do adolescente em outro local, onde ele foi encontrado na parte da manhã. Fabrício, identificado como um dos assassinos de Érick, também foi identificado como um dos autores do crime de ocultação de cadáver.

A prisão de Fabrício

Conforme o delegado Jorge Giraldi, quando ele, o delegado Jair e o agente Jaques chegaram na frente da casa onde Fabrício estava escondido, em São Leopoldo, ele estava em um carro, com mais três homens, um deles seu tio, dono da casa. O último suspeito do homicídio de Érick que ainda estava solto foi preso na frente da casa do tio, seu pai mora na mesma rua e todos foram informados do mandado de prisão preventiva contra o acusado. Fabrício foi trazido para a Central de Polícia de Araranguá, onde chegou por volta das 17 horas desta quinta-feira e aguarda remoção para alguma unidade prisional do Estado pelos agentes do Departamento de Administração Prisional (DEAP).

Colaboração - Gislaine Fontoura

[+] Leia também:

Assassino de adolescente confessa homofobia.