Audiência Pública contou com presença de 118 pessoas, entre autoridades públicas, entidades de classe, comunidade e imprensa

Uma Audiência Pública histórica aconteceu na noite desta segunda-feira, 15, no Centro de Convivência da Terceira Idade, em Maracajá, quando representantes do Poder Legislativo e Executivo, integrantes das Forças de Segurança. Entidades de classe, lideranças comunitárias e a população se reuniram para debater a questão da segurança em Maracajá. A Audiência foi provocada por moradores da cidade, que decidiram criar o Grupo Segurança Maracajá no WhatsApp para organizar uma passeata pacífica em prol da segurança no município, que aconteceu dia 02 de agosto. De lá para cá, o assunto tem sido o foco de discussão no pequeno município de 6.

De lá para cá, o assunto tem sido o foco de discussão no pequeno município de 6.963 habitantes, localizado em área estratégica, cortado pela BR 101, com dez saídas e um efetivo reduzido nas polícias militar e civil, o que faz da pequena cidade um alvo fácil para criminosos.

A Audiência começou com a palestra do ex diretor do Presídio Regional de Araranguá, Adércio Velter, que mostrou em números a situação dos presídios do Estado, superlotados, com um déficit de 3,78 mil vagas, e também a relação entre a criminalidade e a droga. Em seguida, o delegado regional, Diego Archer de Haro, falou sobre o trabalho da Polícia Civil e das dificuldades enfrentadas com o baixo efetivo. O mesmo discurso teve o sub comandante da PM, Tte. Cel. Cristian Dimitri Andrade, que ressaltou a importância da união da comunidade com a polícia, e disse que a maior barreira hoje para a segurança é a ineficiência da legislação.

Importante a participação do prefeito Vagner da Rosa, que sugeriu a criação de um conselho de segurança no município, formada por dez membros da comunidade e entidades de classe, e também por representantes da prefeitura, Câmara de Vereadores, Polícias Militar e Civil, Judiciário, entre outros. A ideia foi aceita pelos 118 participantes da Audiência Pública, que decidiram escolher os nomes e marcar uma primeira reunião para as primeiras discussões. Entre os temas que serão discutidos, estão a criação do projeto piloto Vizinho Solidário, Monitoramento Comunitário, criação da guarda municipal, entre outros.