No início da tarde desta segunda-feira (30), se apresentou na Central de Polícia de Araranguá, Pedro Apolinário Vieira de 67 anos. Acompanhado do advogado, o idoso abalado, relatou ao delegado Jorge Giraldi, coordenador da Divisão de Investigação Criminal (DIC), o que aconteceu em sua propriedade quando do homicídio de Edson dos Santos, de 23 anos, conhecido como “Edinho”, ocorrida na quarta-feira da semana assada, dia 25.

O fato ocorreu na localidade de Sanga da Toca e “Edinho” foi morto dentro do próprio veículo, um VW Gol, com cinco disparos de arma de fogo. Conforme comentou o delegado, Pedro está bastante abatido e contou que atirou por medo, pois estava em casa sozinho com a esposa, que também é idosa e uma neta. “Não há mais dúvidas que o autor dos disparos que vitimou “Edinho” foi o senhor Pedro Vieira, ele está bastante abalado, bastante emocionado, até pela idade, pelas circunstâncias que aconteceu este crime”, contou Giraldi.

Conforme contou Pedro à autoridade policial, “Edinho” chegou na sua propriedade aos gritos, ofendendo Pedro, chamando-o de velho safado, velho sem vergonha e dizendo que o mandaria para o inferno. Ele, sua neta e esposa entraram em pânico, já que momentos antes haviam recebido uma ligação contando que “Edinho” iria até a casa de Pedro tirar satisfações por ter sido citado em um crime de furto. “Pedro, temendo e presumindo que “Edinho” pudesse estar armado, pegou um revólver calibre .38 que herdou de seu pai e foi até o pátio. A vítima então fez menção de pegar algo no assoalho do veículo, quando Pedro efetuou os disparos. “Edinho” possuía antecedentes criminais e Pedro sabia, o que acentuou seu medo”, ponderou a autoridade policial, salientando ainda que a vítima chegou a levar um notebook no carro para provar que não tinha nenhum envolvimento com o furto da casa do filho do atirador.

A esposa da vítima, em seu depoimento ao delgado Giraldi, afirmou que o marido saiu de casa bastante alterado e que “Edinho” disse que iria até a residência do autor para tirar satisfação, pois o nome dele havia sido ventilado como autor de um furto à residência do filho de Pedro na semana anterior.
O idoso irá responder em liberdade pelos crimes de homicídio e posse ilegal de arma de fogo. Conforme Giraldi, a arma que Pedro usou para matar “Edinho” foi jogada fora, após o crime, em um rio na ida para Jacinto Machado.