Comunicar falso crime também é crime e dá cadeia. Foi o que ocorreu com uma idosa de 61 anos que foi até a delegacia de Polícia Civil e revelou ter sido estuprada pelo namorado de 46 anos.

De acordo com o delegado Jair Pereira Duarte, responsável pela delegacia de Proteção à Criança, Mulher e Idoso-DPCAMI de Araranguá, o fato foi registrado no dia 12 de janeiro deste ano, quando a suposta vítima registrou boletim de ocorrência. “Ela compareceu diversas vezes na DPCAMI e à Central de Polícia “exigindo” a prisão do namorado e relatando que estava recebendo mensagens do telefone ex-namorado, contendo ameaças e a confissão do estupro, com frases como “te estuprei e agora vou te matar”. O investigado foi inquirido em duas oportunidades e negou a prática dos crimes de estupro e coação, alegando que o telefone sumiu desde o último encontro com a namorada,” explicou o delegado.

Ainda segundo a autoridade policial, o laudo da perícia, não constatou a ocorrência de estupro, sequer uma lesão, embora a suposta vítima alegou ter sido violentamente forçada a manter relações sexuais.

Restando dúvidas em relação aos crimes, o delegado não representou pela prisão preventiva do investigado, já que contra ele havia medidas protetivas e requisitou-se à operadora de telefone móvel para localização de onde partiram as ligações, uma vez que o homem não residia em Araranguá.

Antes de receber as informações da operadora, porém, na tarde de ontem, a idosa telefonou para a Delegacia e a Agente de Polícia encarregada da investigação constatou que o telefone usado na ligação era justamente o mesmo número do telefone do ex-namorado.

Intimada à comparecer na delegacia e confrontada, a suposta vítima confessou que furtou o aparelho celular do namorado e mandou diversas mensagens de texto para o telefone dela mesma, se passando pelo ex-namorado. O motivo alegado foi vingança.

A idosa de iniciais M.B.P. de 61 anos agora será indiciada pelos crimes de denunciação caluniosa e furto.