As atividades dos 15 vereadores de Araranguá foram reveladas por um levantamento realizado pela “Direita Araranguá”. Os números apresentam o quanto cada parlamentar efetivamente apresentou, ou não, desde projetos a simples pedidos de informações, por exemplo.

Fonte: Direita Araranguá
Fonte: Direita Araranguá

 

A reportagem do Grupo W3 foi a Câmara e conversou com o vereador que aparece com mais projetos apresentados e, também o parlamentar que menos os fez.

Vereador do PP, Cristiano da Silva Costa, o Tano. (Foto:  Anderson Machado) 

Cristiano da Silva Costa, o Tano, como é conhecido, é vereador da base do governo Mariano Mazzuco na Câmara. Foi o parlamentar mais bem votado na última eleição municipal. No levantamento realizado, aparece como o que menos possui atividade desde quando teve início o seu mandato.

O vereador nos recebeu no gabinete dele acompanhado de um assessor parlamentar, e justificou a sua pequena aparição em forma de números, nos levantamentos apontados.

Quando perguntado o motivo pelo qual não apresentou nenhum anteprojeto, Cristiano foi breve.

“Na verdade, eu estou aqui para legislar e fiscalizar e não para fazer leis”, respondeu o parlamentar.

Já com relação a ausência de pedidos de informações, Tano justificou que por ser aliado do Governo Mazzuco, possui acesso aos dados diretamente na fonte, sem necessitar formalizar processos.

Vereador do PV, Igor Batista Gomes. (Foto: Anderson Machado)

Os dados do levanvantamento, apontaram que o vereador Igor Batista Gomes, foi o parlamentar que mais se destacou em maior número de projetos e atividades na Câmara.

Mas os números favoráveis não significam aprovação na casa legislativa. Por ser oposição ao Governo, Igor reclama que tem seus projetos e pedidos quase sempre boicotados.

“Somos dois vereadores de oposição e por esse motivo sofro cerceamento na Câmara. Em virtude disso muitos projetos apresentados por mim não chegam a ser votados. Os que conseguem avanço, são negados ou vetados pelo poder sufocante do executivo. Porém isso não me abate, porque acredito na força do debate”, explicou Igor