Um dos principais assuntos dos últimos dias em Araranguá tem sido a polêmica sobre a nomeação de um sobrinho do vereador Jorge Pereira à prefeitura de Araranguá. O prefeito, Mariano Mazzuco, já anunciou o nome de Fabrício dos Santos Segundo para a diretoria de Indústria e Comércio, pasta ligada à secretaria de Planejamento. E desde então, muitos tem sido os questionamentos da população com relação ao tema.

Na tarde desta segunda-feira, 10, a equipe de reportagem do Grupo W3 entrou em contato com o vereador, a fim de obter mais informações a respeito do fato. De acordo com Jorginho, a iniciativa de nomear seu sobrinho como diretor da pasta partiu do prefeito, Mariano Mazzuco, após uma conversa. “Quem tem a caneta na mão é o prefeito. Foi ele que tomou esta decisão. Agora, como surgiu esta oportunidade? Através de uma conversa em que ele questionou se eu teria alguém para indicar. Há muito tempo eu venho debatendo temas ligados a esta diretoria e tenho total interesse de que alguém assuma esta pasta, haja vista sua importância para o fomento da economia local. Nesta conversa, o prefeito falava de sua dificuldade em encontrar alguém para o cargo, inclusive pelo salário não ser muito atrativo. A partir daí, quando questionado, eu indiquei o Fabrício. Entendo que até poderia haver outros nomes, inclusive dentro da própria prefeitura, que poderiam ser aptos a assumir a vaga, porém ninguém tomou iniciativa”, explica.

O vereador comenta, ainda, a repercussão do fato. “As pessoas já querem saber de imediato, não é assim. Eu já falei para ele, daqui 90 dias, ele pode fazer uma avaliação, ver o que pode ser feito, mas é preciso dar tempo ao tempo, não há como sair correndo e resolver tudo. Nem os secretários que assumiram foram questionados desta forma e um diretor de uma pasta que não tem orçamento, que vai ser subordinado a uma secretaria, já está sendo cobrado? Eu o indiquei por ser competente a função”, destaca.

Questionado sobre a qualificação do sobrinho para assumir a pasta, Jorginho solicitou que a reportagem buscasse estas informações diretamente com Fabrício.

Já sobre o comentário de que a nomeação do sobrinho seria uma resposta ao voto favorável de Jorginho a Daniel Viriato na última eleição na mesa diretora do Legislativo, o vereador foi enfático ao afirmar que não existiu nenhum tipo de acerto político. “O que eu tenho a dizer para vocês, na verdade eu acho muito chato isso que rola, de as pessoas falarem as coisas sem saber, mas não há veracidade nestes comentários. Em meados de dezembro, quando se iniciaram as conversas para a eleição da mesa diretora, eu fui o único vereador a declarar o meu voto antecipado ao vereador Daniel Viriato, antes mesmo de conversar sobre qualquer outra coisa. Eu acho que foi muito interessante o Daniel se reeleger, e vou dar exemplos, como a economia de R$ 1 milhão em um ano e a doação de viaturas, entre outras ações. Então, eu acredito que este trabalho deveria ter continuidade e foi por isso que eu depositei meu voto nele. Sobre a indicação, nós vemos uma série de vereadores que fazem indicação por compromissos políticos na prefeitura. Nós sabemos como funciona a democracia, somos todos democráticos, eu acho que tem espaço para todo mundo. Não foi um acerto de votos, nada disso”, afirma.

Diretor não retornou

Como sugerido pelo vereador, a reportagem entrou em contato com o diretor nomeado, a fim de conhecer melhor seu currículo. Porém, Fabrício afirmou estar em uma visita ao Parque Industrial. Se comprometeu em, até o final da tarde, retomar o contato, porém não o fez. Desta forma, o Grupo W3 se coloca à disposição para, posteriormente, divulgar seu posicionamento sobre o assunto, bem como suas experiências profissionais na área relacionada.

O que diz o prefeito

No início da tarde, precisamente às 14h25, a reportagem entrou em contato, via telefone, com o prefeito, porém não obteve sucesso. Mariano retornou com uma mensagem automática informando que não poderia atender e retornaria mais tarde. Como o retorno não aconteceu, às 16h49, a reportagem ligou mais uma vez, mas não foi atendida.

Em entrevista à Rádio Araranguá na última semana, Mariano falou sobre a nomeação. Segundo ele, em conversa com o vereador Jorge Pereira, recebeu a indicação de Fabrício para a pasta de Indústria e Comércio e diante da necessidade de preencher o cargo, acatou a sugestão. “Fazia algum tempo que eu precisava colocar o diretor da pasta, assim como outros cargos que eu precisava nomear, mas não havia preenchido na tentativa de economizar, porém não estou mais dando conta. Fui buscar nomes, porém alguns declinavam, até que um dia, conversando com o Jorginho, ele me falou sobre a questão da indústria e comércio, geração de emprego, e eu perguntei se ele não conhecia alguém que pudesse assumir esta função. Ele disse que teria o seu sobrinho, depois disso, conversei com o Fabrício, achei ele uma pessoa interessante, está na sétima fase de Direito, é um jovem, e eu tenho vários projetos para esta pasta, inclusive o Centro de Inovação, a Incubadora, então precisaria de um trabalho mais intenso. Então, coincidentemente, acabei conversando com o Jorginho, perguntei se ele teria alguém para indicar, ele indicou o Fabrício, vi que ele é uma pessoa disposta ao trabalho e o contratei”, afirmou o prefeito em entrevista ao radialista Saulo Machado.

MDB avalia

A reportagem também entrou em contato com o presidente do MDB de Araranguá, César Cesa para saber a posição do partido com relação ao assunto. Segundo ele, esta situação será debatida pelo partido na noite desta segunda-feira, 10. “Hoje, nós temos reunião da executiva e entre os assuntos da pauta estará exatamente este. Não tenho como me manifestar antes da reunião, apenas depois desta conversa é que poderei falar em nome do MDB”, finaliza.