Apesar de ter encaminhado projeto de lei renovando a negociação coletiva com o Sindicato dos Servidores Municipais de Maracajá, nos mesmos moldes do acordo firmado em 2018, a administração municipal e os representantes dos servidores continuam negociando as relações entre 1º de março de 2019 e 29 de fevereiro de 2020. Os servidores voltam a se reunir em assembleia nesta quinta-feira, 28.

"Encaminhamos o projeto de lei à Câmara para cumprir a legislação municipal, que exige esta remessa durante o mês de março, mas isto não impede que continuemos negociando; pretendemos avançar e ampliar as conquistas dos servidores, dentro dos limites que a Lei de Responsabilidade Fiscal nos impõe" disse o prefeito Arlindo Rocha, ao se reunir com a presidente do Sindicato, Rosane Roldão e o advogado Luciano Almeida.

À primeira proposta apresentada pela comissão de negociação dos servidores, a administração municipal comprovou que atender todas as reivindicações representaria extrapolar o limite prudencial de 51,3% previsto na LRF, superando 56% da receita municipal. O prefeito, então, propôs que os servidores assumissem a gestão da folha, respeitando o limite prudencial, inovando nas relações trabalhistas do poder legislativo.

Segundo a presidente do Sindicato, em assembleia, os servidores decidiram que, em virtude da falta de tempo para estudos mais aprofundados, adiavam para negociação coletiva do próximo ano a tarefa de "administrar a folha de pagamentos", e, na quarta-feira, 27, apresentaram uma contra proposta, que entendem se adequar aos limites legais da folha em relação a receita. A reivindicação é de aumento real e incorporação de vale alimentação e abono assiduidade.

"Nossa proposta sempre foi a de valorizar o trabalhador, pois é desta forma que acreditamos ser possível proporcionar melhor serviço público à comunidade, mas precisamos manter os parâmetros legais e vamos fazer simulações e levantamentos para atender as reivindicações, dentro dos limites legais", disse o prefeito de Maracajá, que espera poder apresentar respostas à nova proposta a tempo da próxima assembleia.

Fonte: Assessoria de Imprensa