O projeto que altera o plano de carreira dos servidores públicos municipais continua gerando polêmica em Araranguá. Na última quarta-feira, 17, os vereadores discutiram o projeto de lei 015/2018 que prevê a extinção de todos os cargos criados na prefeitura, com a contratação de apenas 15 novos cargos.

Em uma discussão calorosa, dos 15 vereadores, sete votaram de maneira favorável ao projeto: Márcio Tubinho, Cristiano da Silva (Tano), Neno Fontoura, Jacinto Dassoler, João Abílio Pereira, Paulo Roldão e Luciano Pires. Seis vereadores foram contrários: Jorge Luis Pereira, Igor Batista Gomes, Jair Anastácio, Adão Vieira dos Santos (Vidrinho), Pedro Paulo de Souza (Paulinho), e Diego Pires. O vereador Ronaldo Soares se absteve da votação, e o presidente da Casa, Daniel Viriato Afonso, segundo o regimento interno, vota apenas em caso de empate.

Usando nariz de palhaço, os servidores acompanharam a votação do plenário. Alguns vereadores que votaram contra o projeto também usaram o acessório.

Nas redes sociais, alguns deles se manifestaram ainda na noite de quarta-feira. Confira:

“Na semana que comemoramos o dia do professor a velha política dá um verdadeiro “presente de grego” aos educadores de Araranguá. PL 15/2018 que desvaloriza umas das classes mais importantes de uma sociedade civil organizada. Estaremos sempre ao lado dos professores, doa a quem doer”, vereador Jorge Luis Pereira.

“Antes de ser vereador, sou professor! A causa de vocês é a minha causa! Ver minhas colegas indo embora chorando... Vou te dizer... Uma das coisas mais triste que já presenciei. Como professor fui para casa com vontade de chorar... Conseguiram iniciar a verdadeira destruição da educação no município de Araranguá”, vereador Igor Batista.

“Hoje, sete dos 15 vereadores deram continuidade ao desmanche da educação municipal. Foi aprovado pelos vereadores, um plano de carreira que lamentavelmente precariza e leva o paço municipal rumo a terceirização. Esta, com certeza é uma das primeiros projetos que virão para a Câmara de Vereadores, com o objetivo de acabar com os direitos, a exemplo do governo de Michel Temer. A oposição, junto comigo e de outros Vereadores votou contra este projeto, já os demais legisladores em verde o aprovaram. Lamentável!”, vereador Jair Anastácio.

Fonte: Fotos: Fernanda Guidi // Arte: Michelle Oyah