No retorno às sessões legislativas, o deputado Manoel Mota (MDB) decidiu abrir mão de concorrer à primeira vice-presidência da Assembleia e apoiar o deputado Leonel Pavan (PSDB), eleito para o cargo. A definição se deu durante reunião da bancada emedebista no final da manhã desta terça-feira, 11. Mota chegou a ter o nome apontado em consenso entre os companheiros de partido, em reconhecimento a sua trajetória de sete mandatos na Assembleia Legislativa, e seis anos como líder da bancada. Mas ele se mostrou sensível ao apelo do presidente do PSDB estadual, deputado Marcos Vieira, que participou da parte final do encontro e apresentou o nome de Pavan como solução para seu partido recuperar espaço na mesa do parlamento estadual.

“Reconheço o direito do PSDB em ter representação na mesa da Assembleia, bem como tenho apreço especial pelo ex-governador Pavan, que foi vice de Luiz Henrique e é um grande deputado”, justificou Mota, ponderando sobre o gesto que acabara de praticar, que busca manter a harmonia entre as bancadas e o bom andamento do parlamento Catarinense.

O deputado recebeu manifestações de apoio do líder do MDB, Carlos Chiodini, do líder do governo Valdir Cobalchini e também do deputado Mauro de Nadal, os que haviam recebido apelos dos tucanos para que Pavan fosse prestigiado, já que também está se despedindo da vida pública depois de recuperar-se de um acidente vascular cerebral há poucos meses. “O Mota é o nosso nome, um colega com trajetória irretocável, mas outra vez mostra sua grandeza ao praticar um gesto político, mostrando porque construiu uma vida pública tão longeva”, observou Chiodini.

No encontro da bancada também participaram os deputados Luiz Fernando Vampiro, Mário Marcondes e Ada de Luca. Em seguida, a decisão também foi comunicada aos deputados Romildo Titon, Moacir Sopelsa e Dirce Heiderscheidt, que ainda não estavam na sede da Assembleia. Todos valorizaram a decisão de Mota, reconhecido como um colega que deixa sua marca do MDB catarinense.

Durante a sessão da tarde, Mota aproveitou o horário do MDB para lançar Pavan à vice-presidente, eleição que acabou se confirmando na sessão especial realizada logo em seguida para formalizar a eleição. E Pavan retribuiu a deferência, elogiando Mota: “Eu agradeço, tenho enorme admiração ao homem público transparente, ético, democrático, que pode elevar as mãos limpas e manifesta apoio a minha pessoa. Muito obrigado”.

Fonte: Assessoria de Imprensa