Destinado à empresas que queiram instalar ou expandir os negócios no município, o Parque Industrial de Araranguá abriga 33 terrenos, onde igual quantidade de empreendimentos pode instalar-se ou já estão em pleno funcionamento. 
Falta espaço
 
O problema é que, outros empresários já confirmaram que gostariam de implantar suas empresas no parque, o que contribuiria para geração de novos postos de emprego, elevação de renda e fortalecimento da economia, melhorando, em consequência disso, a qualidade de vida de muitas famílias. Este projeto, entretanto, fica inviabilizado porque, não existem mais espaços disponíveis. 
Tema da sessão

Consciente desta realidade e após escutar apelos feitos por vários empreendedores, o vereador Kila Ghellere (PSB) vai propor indicação, nesta segunda-feira, dia 9, na Câmara Municipal, para que a Prefeitura de Araranguá crie novas alternativas visando equacionar o problema da falta de espaço. “Estarei sugerindo que o Executivo Municipal intensifique estudos técnicos a fim de possibilitar que o terreno destinado à área institucional do Parque Industrial também seja destinado para a implantação de empresas. 
 
 
Localização estratégica

De acordo com Kila Ghellere, que é vice-presidente da Câmara de Vereadores, o novo Parque Industrial de Araranguá, localizado às margens da BR 101, encontra-se situado em um ponto estratégico, pois fica distante de zonas residenciais, permitindo a instalação de empresas nas mais diversas atividades. 
O vereador lembra que, por força da Lei Federal nº 6.766/79, todo loteamento urbano, para ser aprovado perante a Prefeitura, precisa reservar parte do imóvel, em percentual definido em lei municipal, para construção de praças, escolas, postos de saúde e outro equipamentos comunitários necessários ao atendimento dos futuros moradores daquele empreendimento. 
Mais empregos 

Ghellere, no entanto, destaca que a situação do Parque Industrial é peculiar. “O bairro Polícia Rodoviária, onde o parque fica localizado já dispõe desta estrutura pública. Se o espaço da área institucional fosse destinado a construção de novas empresas, com certeza os benefícios para a comunidade seriam maiores e mais significativos. Precisamos avaliar a possibilidade, até porque hoje, a carência de empregos preocupa todos os setores da população”, justificou.