O encontro com entidades aconteceu no auditório da Associação Empresarial de Araranguá e do extremo Sul Catarinense (ACIVA) na noite desta quinta-feira, 08. Representantes de associações e empresários estavam presentes.

Na oportunidade foi anunciado o projeto “Menos é Mais Araranguá” que visa divulgar as atribuições, responsabilidades, obrigações e deveres dos políticos. As redes sociais serão utilizadas para divulgar postagens educativas detalhando cada item.

Material de divulgação do projeto / ACIVA

A inspiração veio depois que os vereadores de Araranguá tomaram a iniciativa de devolver para o executivo municipal, cerca de 1,250 milhão oriundos das economias na casa legislativa. O que as entidades agora querem é a continuação da ação para a posteridade em forma de lei.

Dentre os empresários que participaram da reunião, estava o proprietário da Contempla, Giovani Elias, que também faz parte do conselho de ex-presidentes da ACIVA. Para ele, a atitude da casa legislativa serve de exemplo para outros municípios da federação.

“É um exemplo para o Brasil o que o legislativo araranguaense tem feito sobrar nos cofres públicos através da austeridade. Como não sabemos o que vai acontecer nas próximas legislaturas, sugerimos formalizar o ato criando uma lei específica que regulamente essa economia”, disse Elias.

O presidente da ACIVA, André Pietsch Serafin, lembrou da importância das prerrogativas dos poderes como a eficiência do executivo e a fiscalização por parte dos vereadores. Porém, ressaltou que as economias conquistadas na casa legislativa devem ser formalizadas em uma lei específica.

“Por isso que a gente está lançando esse projeto. Nós desejamos que está economia continue nos mandatos futuros. Mas para isso precisamos que isso vire lei e seja mantida a austeridade”, afirmou o presidente da ACIVA.

Para o Sindilojas de Araranguá, oferecer mais recursos para o executivo, significa acelerar o desenvolvimento da cidade.

“Nós precisamos melhorar a infraestrutura da cidade e esse movimento vai fazer com que o executivo tenha esse investimento. Araranguá carece de novas indústrias e empreendimento, porque isso gera trabalho e renda. Acreditamos que os vereadores irão aprovar essa lei”, falou a presidente da entidade, Giovana de Oliveira de Souza.

De acordo com presidente da Câmara de Dirigente Lojistas de Araranguá (CDL), Luiz Gonzaga Pereira, o projeto apresentado na ACIVA aproxima a sociedade com dos representantes públicos no quesito transparência. Porém ressaltou que o resultado só será conhecido ao longo do tempo, e fez sugestões a ideia principal.

“Acho que o principal benefício desse encontro é o movimento e a união das entidades para um bem comum em detrimento de interesses classistas. Mas acho que outras causas deveriam serem abordadas da mesma forma. Podemos, por exemplo, propor de forma antecipada, um plano de governo único no qual possa ser discutido com a sociedade, entidades e partidos, e por fim todos se comprometam em executar o plano debatido”, pontou Gonzaga.

Presidente da ACIVA explicando o projeto / Foto: Anderson Machado