O microempresário Vilson Spolti, de 50 anos, teve a ideia de deixar gratuitamente a sobra da produção da pastelaria na maçaneta de uma das portas de vidro do estabelecimento, localizado no edifício Katiussi no centro de Araranguá. Todos os dias, a partir das 19h de segunda-feira a sexta-feira, as sacolas com salgados e doces estão à disposição de quem tem fome e não pode comprar.

O ritual da boa ação já dura 12 anos, mas, ganhou notoriedade graças a uma publicação realizada por uma internauta que publicou o fato nas redes socias. Em questão de horas já tinha centenas de compartilhamentos no Facebook.

A filha do microempresário, Jaqueline Spolti, de 26 anos, ajuda o pai na pastelaria. Ela revela que a família e os colaboradores se sentem satisfeitos de poder ajudar o próximo com o singelo gesto.

“É um costume que perdura por mais de uma década. Ao apagar das luzes fechamos as portas e a sacola fica pendurada com alimentos que irão alimentar algum andarilho ou morador de rua. As vezes sobra três. Porém tem dias que sobram dezenas. Não vai nada fora”, explica Jaqueline.

Gesto é reconhecido por clientes

“Tem bastante pessoas necessitadas aqui no centro, acho louvável essa atitude”, disse Jucelia da Silva Toretti, de 39 anos, que passa no local pelo menos uma vez por semana para fazer lanche.

A operadora de máquina, Ana de Faveri, de 42 anos, também, elogiou a atitude da empresa.

“Estão de parabéns por não jogar o alimento fora ou guardar para outro dia. Repassam gratuitamente isso para pessoas que estão com fome e não tem condições de pagar por um lanche”.