No Brasil a cada hora uma pessoa tira a própria vida e outras três têm a tentativa de suicídio frustrada. Em 2018 a região da AMESC registrou 19 suicídios, na AMREC o número foi ainda maior, 36 casos. Os dados são levantados pelo Centro de Valorização da Vida, o CVV. 
 
Entre os principais fatores de risco, a depressão ganha destaque, de acordo com o voluntário do CVV de Criciúma, Paulo José Borges. “Em Criciúma, dos 26 casos de suicídio ocorridos em 2018, 16 deles tinham histórico depressivo”, explica. 
 
Os jovens, entre 15 e 29 anos, seguem como principal grupo de risco, representando 30% dos casos. “É preciso ficar atento aos sinais de alerta, como isolamento, a perda de entes queridos, conflitos familiares, orientação sexual e agressões física e psicológica”, destaca Borges.
 
Falar é a melhor opção
 
Desde outubro de 2017 o CVV atende por meio do número 188 em todo o Brasil. O número é gratuito e a ligação pode ser feita também de aparelhos celulares. A identidade de quem busca por ajuda também é mantida em sigilo. Somente em 2018 a unidade de Criciúma atendeu mais de 20 mil ligações de pedido de apoio.
 
A entidade realiza apoio emocional e prevenção do suicídio, atendendo de forma voluntária e gratuitamente todas as pessoas que querem e precisam conversar.