Começam na manhã da próxima segunda-feira (23) as obras de recuperação da Rodovia Adilton de Medeiros, o Acesso Norte de Maracajá à BR-101 e a previsão é de que em até quatro meses a obra esteja concluída.

A garantia dos prazos foram dadas nesta sexta-feira (20) por José Carlos Souza e Azenir Locks, respectivamente, executivos das empresas Setep Construções e SBM Mineração, ao prefeito Arlindo Rocha, vereadores Geraldo Leandro, Maria Lúcia e Guilherme Rocha e técnicos e diretores da administração municipal. No encontro foi entregue ao prefeito o projeto básico do primeiro trecho da obra.

A obra integra termo de ajustamento de conduta firmado entre o município e as empresas que exploram basalto no Morro Maracajá, como compensação à cidade por danos provocados ao patrimônio público.

As obras no "Acesso Norte" foram divididas em dois trechos. No primeiro e maior, com 1,3 quilômetro, será realizada nova base, sub-base e pavimentação com camada de 5 centímetros de asfalto usinado a quente. Abaixo do asfalto será implantada uma base de 35 centímetros.

Segundo o engenheiro Geraldo de Lucca, responsável pela obra, informa que serão necessários 1,3 mil metros de drenagem para garantir a qualidade da pavimentação nos pontos mais críticos e que durante os trabalhos os serviços ocorrerão em meia pista, permitindo apenas o trânsito local de veículos.

A exploração de basalto utilizado na construção civil ocorre no Morro Maracajá há mais de 45 anos. Neste período a cidade contabilizou prejuízos em seu patrimônio público, em especial a Rodovia Adilton de Medeiros, danificada, principalmente, pelo tráfego de caminhões transportando o material extraído do morro.

Em sua proposta de governo, o prefeito Arlindo Rocha se comprometeu em buscar alternativas para compatibilizar a extração do minério a dividendos ao município. Sem sucesso no primeiro semestre de 2017, em 1º de junho do ano passado, Arlindo decretou a paralisação da mineração e em janeiro deste ano foi formalizado o ajustamento de conduta, homologado pela Câmara de Vereadores.

Além da recuperação do Acesso Norte, as empresas mineradoras se comprometeram em ceder mensalmente 400 toneladas de pedra britada para ser usada em revestimento de estradas sem pavimentação, formação de um fundo com 0,75% do faturamento das empresas para recuperação do passivo ambiental.

O acordo estabelece que as áreas exaurida e recuperadas serão doadas ao patrimônio público e, ainda, por conta das mineradoras, a revitalização da Rua Pedro Rocha, onde vão construir e pavimentar uma área para dar segurança ao embarque e desembarque do transporte de alunos da Escola Estadual Manoel Gomes Baltazar.