E se você soubesse que o seu grande sonho de se tornar mãe e pai poderia transformar a vida de alguém? O casal araranguaense Kagiane de Souza Januário e Fernando Silva Ferreira, de 30 e 27 anos, está passando por esta realização.

Eles decidiram entrar na fila de adoção há aproximadamente quatro anos, quando descobriram que tinham dificuldades para engravidar. "Sempre tivemos o desejo de ser pais. Conversamos e como temos vários casos de adoção na família, resolvemos adotar também, seguindo um desejo do nosso coração. Então fizemos o curso de adoção e entramos na fila", conta Kagiane.

Depois de habilitados pelo juiz, eles foram incluídos no sistema e levou aproximadamente um ano para serem chamados. "Pensávamos que seria mais difícil, acreditamos que foi rápido devido ao perfil que escolhemos, que a princípio era até dois irmãos", afirma Fernando.

Kagiane conta que no momento em que o esposo recebeu a ligação, estava viajando. Foi esta ligação que mudou a vida da família para sempre. "Ele me ligou nervoso e emocionado pedindo para que eu fosse até o Fórum que queriam falar conosco. Na hora eu estava em meu trabalho. Fui aflita, com os olhos cheios de lágrimas, sentindo que a nossa hora havia chegado. Avisei minhas colegas de trabalho que eu precisava sair, elas entenderam na hora, se emocionaram também e disseram para eu não me preocupar com o resto", relata.

Kagiane recebeu a notícia que havia três irmãos para serem adotados, com idades de um, dois e três anos. "Saindo do Fórum, liguei para o meu esposo, juntos choramos pois sabíamos que se Deus mandou os três, este era o nosso propósito. Fui até a igreja e pedi direção para Deus para que tudo ficasse bem e que se fosse da vontade Dele, que nos mantivesse firmes. Na sexta-feira meu esposo chegou de viagem e fomos para a cidade das crianças conhecê-las. Quando os vimos, tão pequenos e indefesos, todos de mãozinhas dadas, nos emocionamos muito. Nos abraçamos, brincamos, lanchamos com eles e foi uma festa. Mesmo assim, eles sempre estavam com um olharzinho de desconfiança. Mas logo já estavam nos chamando de papai e mamãe, estavam se sentindo amados", comenta.

Na outra semana, os três irmãos vieram para casa e a rotina da família mudou. "Tivemos uma semana de correria para preparar tudo, três cadeirinhas para o carro, três camas, era tudo triplo. Uma correria que valeu muito a pena. Olhar para aqueles três rostinhos indefesos e ao mesmo tempo transbordando de alegria nos enche de felicidade. Na verdade, eles que nos adotaram como pais, estamos aprendendo muito. Acima de tudo, estamos muito felizes, pois acreditamos que Deus sabe a hora e o tempo certo para tudo", destaca Fernando.

A família está completa há um mês e eles estão passando pela fase de adaptação. "Tudo mudou bruscamente, mas com amor, tudo está se ajeitando e tomando um rumo certo. Recebemos total apoio da família, meus pais estiveram comigo desde o primeiro dia, sempre nos orientando e nos ajudando. Meus sogros também estiveram presente desde o primeiro momento e nos ajudaram. Hoje nos sentimos completos, orgulhosos da nossa história, de tudo que vivemos até aqui, das batalhas enfrentadas, mas sempre confiantes em Deus, que tudo sabe", finaliza a mamãe.

*Para preservar a imagem das crianças, não citamos os nomes, nem utilizamos suas imagens.

Fonte: Fotos Arquivo Pessoal