Coloque-se no lugar de um aventureiro que foi surpreendido por um redemoinho em uma corredeira. Você precisa agir rápido para se salvar. Este não é mais um quadro do programa Fantástico da Globo. Mas é para evitar os mesmos desafios mostrados na TV que aqui na região, um plano está sendo elaborado pela Defesa Civil no setor turístico.

Embora a prevenção seja o caminho mais fácil, mais seguro e barato, não há prevenção capaz de reduzir totalmente a ocorrência de desastres, e assim a preparação para as ações de resposta é muito importante. Quando se reside em uma região com vasto histórico de desastres naturais, preparação para os riscos vira frase de ordem.

A região que já foi castigada pelo furacão Catarina, devastada por grandes enchentes e inundações e sobreviveu a grandes deslizamentos, passa agora a pensar na implementação de respostas rápidas e articuladas para reduzir danos e prejuízos, o que pode inclusive determinar o salvamento de vidas humanas. Está em fase de implantação, o Plano de Contingência e Gestão de Risco de Adversidades Turísticas, documento elaborado pela Defesa Civil em parceria com órgãos e entidades. Segundo o coordenador da Defesa Civil, Sebastião de Souza, é um plano previamente elaborado para orientar as ações de preparação e resposta a um determinado cenário de risco, caso o evento adverso venha a se concretizar.

Mais agilidade na resolução de problemas

A Região do Extremo Sul Catarinense é uma grande aventura. Possui perfeitos cenários naturais, abriga os gigantes canyons no alto da Serra e ainda praias movimentavas em seu extenso litoral. Atraindo tantos visitantes é natural que acontecimentos climáticos ou desastres possam ocorrer tendo como palco estes pontos turísticos. Além disso, não raras vezes são registrados desaparecimentos de turistas que se perdem em trilhas ou comunidades inteiras ficam ilhadas por conta da água da chuva. Sempre que acontecem problemas dessa magnitude, é feito uma verdadeira força-tarefa para a ação, mas sempre planejar para evitar maiores danos e prejuízos é a solução.

Região candidata ao Geoparque

Para a região, a prioridade é a criação do Geoparque Caminhos dos Canyons do Sul, que precisa da chancela da Unesco, responsável pela Rede Global de Geoparques. A proposta vem sendo discutida desde 2007 e alguns requisitos já foram atendidos, porém outras demandas ainda precisam ser atendidas para que Santa Catarina abrigue o segundo geoparque do Brasil (o primeiro fica no Ceará).

Uma das exigências é a criação do Plano de Contingência, onde na região estarão envolvidos os municípios de Balneário Gaivota, Ermo, Jacinto Machado, Maracajá, Meleiro, Morro Grande, Passo de Torres, Praia Grande, Santa Rosa do Sul, Sombrio, Timbé do Sul e Turvo.

O Plano de Contingência pretende dar soluções para essas rotas turísticas em caso de catástrofes e situações atípicas. O projeto prevê inicialmente uma cartilha de métodos para desencadear adversidades como, tornados, vendavais, sumiço de crianças na área do Geoparque. “A Defesa Civil de cada município tem o seu Plano de Contingência, mas essa proposta plano seria voltado especificamente para proprietários de pousadas, guias de turismo rural e gestores. Por exemplo, em caso de um vendaval durante uma trilha, nesse plano estaria dicas para resolver os estragos e auxiliar a população”, explica o coordenador da Defesa Civil, Sebastião de Souza.

O responsável pela Defesa Civil cita como exemplo um vendaval durante uma trilha, pois em um fenômeno como esse o guia responsável irá abrir o documento e nele constará o contato de grupos que podem fazer os resgates e os locais que podem servir de alojamentos, também as pessoas e entidades que podem ajudar na manutenção do local. “Seria verdadeiramente um guia para auxiliar os governantes, associações, pousadas, na resolução de contratempos", afirma.

Sebastião comenta que após a aplicação desse plano haverá uma maior agilidade na resolução dos casos. "Muitas vezes o município, entidades ou associações localizadas em locais turísticos ficam perdidas ao resolver esse tipo de situação, o plano vem para dar rapidez e melhorar o trabalho dos envolvidos", pontuou.

Apresentação

A apresentação desta proposta de plano iria acontecer na última terça-feira, dia 13, em um debate regional sobre o Geoparque, mas com o cancelamento do ato, a proposta deve ser apresentada no inicio do próximo ano.

"Iríamos apresentar esse plano para guias turísticos rurais da nossa região, além de órgãos ligados ao meio ambiente e também gestores de pastas da região. Com certeza iria ser aprovado e acontecendo isso haveria a elaboração e a troca de informações entre os municípios, levantamento de dicas e situações que estariam fixas nele", afirmou.