Alvacir Rodrigues de Souza, 64, ficou responsável pelos trigêmeos, agora com onze meses, e outras duas crianças

Duas famílias residentes em Balneário Gaivota, na área de abrangência de Agência de Desenvolvimento Regional (ADR) de Araranguá, estão amparadas pela Lei Estadual nº 15.390/2010, e recebem do Governo do Estado o Benefício de Gestação Múltipla. Nos dois casos, as mães tiveram trigêmeos.

Em uma das situações, a avó Alvacir Rodrigues de Souza, de 64 anos, possui a guarda de Maria Clara, Maria Vitória e João Guilherme, de 11 meses de idade.

Ela cuida integralmente dos netos desde que a mãe das crianças as abandonou, quando eles tinham 5 meses. “Mudei minha vida por eles, mas todo trabalho que passo é muito compensador. É um amor que não tem explicação”, conta Alvacir, que chama os netos de filhos.

A filha de Alvacir deixou além dos trigêmeos outros dois filhos, de 11 e 8 anos de idade. A avó teve que interromper sua atividade como costureira para conseguir cuidar das crianças. Para ela, o auxílio financeiro concedido pelo Governo do Estado é fundamental. “Sempre contei muito com a ajuda da população, mas desde que comecei a receber o benefício da gestação múltipla há dois meses pude ficar mais tranqüila, sabendo que terei condições de oferecer o que eles necessitam”, disse.

Dona Alvacir conseguiu regularizar sua situação junto à gerência de planejamento regional e apoio a políticas públicas na Agência de Desenvolvimento (ADR) Regional, que intermediou o envio da documentação necessária para o recebimento do auxílio à Secretaria de Estado da Assistência Social (SST).

A gerente do setor na ADR, Dione Helena Ramos Cesa, explica que as mães catarinenses com gestação múltipla, ou seja, que tiveram trigêmeos ou mais, são as únicas do país que recebem um auxílio financeiro do Governo do Estado para custear os cuidados com os filhos.

“O benefício de Gestação Múltipla garante a famílias em situação de vulnerabilidade social, com renda de até 85% do salário mínimo por membro da família, um reforço financeiro de R$419,25 mensais para cada criança, até que elas completem 12 anos. Para recebê-lo, a família deve se dirigir à ADR para dar entrada ao requerimento e apresentar os documentos necessários para receber o auxílio”, explica.

Dentre os critérios do cadastramento, as crianças precisam ter nascido em SC; ter residência mínima dos pais ou responsáveis, no mínimo, há dois anos no Estado; e que a família tenha como renda bruta total até 85% do salário mínimo por pessoa do núcleo familiar.

O controle dos cadastrados é feito através de visitas às famílias feita todo semestre e encaminhada para a SST.

Fonte: Leneza Della Krás