A 10 anos atrás, passear no Calçadão era a principal opção de lazer para muitos araranguaenses. Sair de casa, sob o forte calor de verão e deliciar-se com um sorvete expresso, ou mesmo aproveitar aquela visita de fim de ano para fazer umas compras no comércio local, são aspectos que por muito tempo deu certo charme ao principal passeio público de Araranguá. Uma década depois, o Calçadão continua tendo seu charme, mas de forma mais discreta. As pedras escuras das calçadas e o projeto arcaico do trajeto que liga a Avenida Sete de Setembro à Avenida 15 de Novembro já não atende mais o objetivo de atrair a população ao coração do município.

Para mudar esta realidade, diversos seguimentos da sociedade estão se unindo. E quando um assunto, antes esquecido, começa a ganhar os holofotes, o resultado quase sempre é o do sucesso. Este é a esperança do presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas de Araranguá - CDL, Clezio Mota. O empresário lembra que tanto para o comércio, quanto para a própria cidade, o Calçadão precisa ser uma referência.

“Você teria que ter o Calçadão como um cartão postal, pois é dele que você parte para outros bairros. Nosso Calçadão foi feito há quase 25 anos e  já está bem ultrapassado. A necessidade de revitalização é urgente,” comentou o presidente da CDL em entrevista ao Jornal W3.

A revitalização, como constatou Mota, é um sonho do atual prefeito Sandro Maciel e o assunto ganhou a preocupação também do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas - SEBRAE que recentemente apresentou aos empresários da Cidade das Avenidas um projeto que colocado em prática, pode trazer uma nova vida ao velho trajeto araranguaense.

“A prefeitura já nos apresentou um projeto, no qual solicitamos algumas mudanças. Recentemente também recebemos uma proposta do SEBRAE, que já fez a revitalização de vários Calçadões pelo Estado, como em Florianópolis e Chapecó,” explicou. “Acredito que no futuro, com as duas ideias nas mãos, se faça uma junção e quem sabe criamos uma perfeita para que tenhamos um Calçadão de impacto, no qual você chegue à cidade e ele seja o principal cartão postal,” completou Mota.

As boas intenções existem. Conheça, a seguir, a proposta que a prefeitura e o SEBRAE apresentaram a CDL.

Como pode ficar o Calçadão

Conforme Clezio Mota, ambos os projetos contemplam a pavimentação das calçadas com pavers. No entanto a prefeitura sugeriu a cobertura lateral e travessias de um lado ao outro. Já o Sebrae apresentou a cobertura lateral e a revitalização das faixadas das lojas. Entre as mudanças sugeridas pela CDL, está a troca das travessias por uma área única coberta, para servir de espaço cultural.

Outros assuntos, como a retirada dos postes substituída por fiação térrea e o fechamento do Calçadão, não permitindo a passagem de veículos, ainda vão ser debatidos futuramente. “Vamos levar estas discussões aos lojistas, para ver se estas ideias tem respaldo entre os comerciantes e moradores,” concluiu Mota.

Em entrevista ao Jornal W3 no mês de agosto, o prefeito Sandro Maciel já havia revelado que o projeto do Calçadão estava na fase final. O prefeito também ressaltou que fará esforços para iniciar a obra ainda na atual gestão. Os esforços existem, agora restam as forças se unirem para o ponto mais tradicional de Araranguá ser motivo de orgulho à população.

Reportagem e fotos: Felipe Balthazar