A Polícia Militar de Araranguá foi acionada para averiguar disparos de arma de fogo que teria ocorrido no bairro Sanga da Toca I, por volta das 20h40min de ontem, quarta-feira (27). Ainda por telefone, a PM foi informada por populares que foram ouvidos cerca de seis disparos.

Várias guarnições foram ao local e encontraram uma mulher alvejada com disparos de arma de fogo. A vítima não resistiu e morreu ainda no local, sendo isolada a área até a chegada da Polícia Civil, Instituto Geral de Perícia (IGP) e Instituto Médico Legal (IML), que recolheu o corpo da vítima.

O marido da mulher estava muito nervoso e em estado de choque, não deixando a imprensa se aproximar da casa onde o crime ocorreu. Conforme informações levantadas no local, a família foi vítima de um roubo, onde dois criminosos foram até a residência, localizada há um quilômetro da marginal da BR 101 e anunciaram o assalto. Os criminosos saíram do local levando algo em torno de R$ 30 mil, mas quando da fuga, os marginais efetuaram vários disparos que atingiram fatalmente a mulher de 27 anos. No intuito de defender a família, o dono da casa que possuía uma arma calibre 12 registrada, investiu contra os assaltantes.

A Polícia Militar acredita que um dos autores do latrocínio acabou ferido antes da fuga e realizaram uma varredura nas imediações no intuito de prender os assaltantes ainda em flagrante, pois, de acordo com informações, a dupla teria fugido em meio aos matagal e plantações.

A PM solicitou apoio do canil de Criciúma e PPT daquela cidade para fazer uma busca minuciosa nas matas e plantações.

Conforme o delegado Jorge Giraldi, coordenador da Divisão de Investigação Criminal de Araranguá e que está à frente dos trabalhos investigativos, o casal de agricultores estava desconfiado de que alguém tinha a intenção de rouba-los. “Foi mais um crime de latrocínio registrado em nossa região. Não vamos descansar enquanto não identificarmos e prendermos os criminosos, pois nos últimos anos, todos os casos de latrocínios foram esclarecidos e os autores foram presos”, comentou a autoridade policial, relembrando o caso mais recente deste tipo de crime que vitimou o empresário maracajaense Jorge Simon.

Reportagem: Karin Mariana-Contra o crime/ Especial W3

Foto: arquivo W3