Uma espingarda em posse de um adolescente quase transformou a vida de um pai de família em uma tragédia na noite de sábado (9), no bairro Barranca em Araranguá. Após efetuar um disparo com uma espingarda, a bala perdida acertou um veículo, que transitava pela rua.

A Revista W3 conta esta história em duas partes, a do disparo e a ação da PM, que deteve o responsável.

Disparo

O pai de família, C.C.H., 30 anos transitava por volta das 21h, de sábado (9) pela Rua Nossa Senhora Mãe dos Homens, no bairro Barranca. Dentro do carro estavam a esposa e o filho dele.

Eles estavam indo para o descanso do lar, quando ouviram um barulho parecido com um disparo. Imediatamente o pai olhou para a família, mas todos estavam bem.

A saga desta comum família continuou pelas ruas do bairro Barranca, até a entrada da cidade, quando perceberam que o barulho na verdade foi de um tiro, e que este tiro os acertou.

Uma lesão na nuca de C.C.H., e marcas de disparo na lataria do veículo confirmava a versão. Ao conferir que todos estavam bem, o patriarca foi até a Central de Polícia efetuar um Boletim de Ocorrência, e posteriormente, foi ao Hospital para saber se tudo estava bem, afinal, apesar de ser uma lesão leve, os nervos estavam a flor da pele.

PM em ação

Após registrar o B.O., a Polícia Civil informou de prontidão a Polícia Militar – PM, sobre o ocorrido. Quatro guarnições foram encaminhadas ao bairro Barranca, para descobrir a origem do disparo. Foi aí que começou a busca pela arma e também o responsável pelo tiro.

Conforme informações da PM, depois de algumas rondas feitas no bairro, um adolescente foi avistado próximo de um veículo Peugeot 106, placas LZD-3395, de São Francisco do Sul/SC. Ao abordar o jovem, outros três amigos dele chegaram ao local. A guarnição revistou todos os presentes e o veículo.

Dentro do carro foram encontradas embaixo do banco do motorista três munições calibre 24. Todos foram encaminhados para a Central de Polícia e o veículo foi guinchado.

Enquanto os soldados PM faziam os procedimentos legais, a reportagem da W3 entrevistou o adolescente que assumiu a posse das munições. A versão relatada pelo adolescente de 17 anos era confusa. Primeiro ele alegou estar em casa quando efetuou o disparo, depois que estava na casa de um amigo.

“A arma era minha, quando eu vi a Polícia eu a joguei no mato, mas amanhã eu vou lá achar ela”, disse em tom de risada. “Eu estava testando ela e sem querer efetuei o disparo,” revelou.

Perguntado se ele sabia que a posse da arma era ilegal, ele respondeu que sim. “Por isso estou aqui”, disse novamente entre risadas.

A Polícia Militar não encontrou a arma de fogo, que correspondia a uma espingarda, no bairro Barranca. O delegado plantonista indicou o menor por disparo de arma de fogo. Todos os quatro detidos foram liberados após terem prestado o depoimento.