A questão da segurança pública em Maracajá foi tema de uma reunião, na última quarta-feira, entre o prefeito Wagner da Rosa, vereadores e comerciantes. O município tem registrado uma série de furtos, o que tem preocupado as autoridades locais.

O comandante da polícia militar do município, 3º sargento Jonathan Patrício Pereira Luiz, explicou que as ligações para o 190 caem em Criciúma e isso faz com que a resposta da PM seja mais demorada nas ocorrências. 'Vamos tentar juntos as operadoras de telefone para que haja uma intervenção e as ligações caiam direto em Maracajá', avisou.

Para o policial a maneira de diminuir as ocorrências é a participação popular. 'A população tem que participar denunciando quando ver carros os pessoas suspeitas', reforça.

O responsável pela Polícia Civil do município, Pedro Estevam, lembrou que mesmo com um efetivo apenas em Maracajá, a maioria dos casos são solucionados. 'Desde a década de 1970 temos um policial na cidade e hoje a criminalidade aumentou, mas mesmo assim conseguimos dar respostas para a sociedade', completa Pedro.

O prefeito Wagner ressalta que a união de forças é que poderá combater o problema. 'Sabemos da importância da atuação da polícia militar na defesa das pessoas e, por isso, no início do ano repassamos uma arma de longo alcance para a PM', afirma. E completa: 'Outras ações para amenizar os índices de criminalidade serão novamente discutidas com as entidades organizadas e também vamos em busca de respostas mais concretas junto ao governo estadual, na Secretaria de Estado de Segurança Pública'.

Participaram ainda da reunião o presidente da Câmara de Vereadores Valdecir Stefaneti, vereadores Maria Aparecida Freitas, Alaênio de Oliveira, Ademir de Oliveira, Prezalino Ramos, Roldinei Dassoler da Silva, Maria Claudete Brambila e José Alcides de Souza, presidente da CDL Valmir Pedro e comerciantes de Maracajá.

Reportagem e fotos: Itaionara Recco- Assessoria de Imprensa