Segundo o presidente do sindicato, Fernando Espíndula, o Executivo ofereceu a correção salarial para os servidores de 4%, a partir do mês de março, e vale refeição no valor de R$ 150 para os servidores que recebem abaixo de cinco salários mínimos e R$ 135 para os que recebem acima de cinco salários mínimos. Ainda de acordo com o sindicato, o prefeito Sandro Maciel declarou não ter como atender as reivindicações dos profissionais de Educação, pois entende que estes recebem acima do piso. 
Depois de rejeitar a proposta os trabalhadores disseram que vão buscar apoio junto aos vereadores e também vai nomear representantes do sindicato para irem na quarta-feira, 25, até Florianópolis junto ao Tribunal de Contas buscar esclarecimentos sobre o que o Tribunal considera como folha de pagamento. 

Fotos: Gislaine Fontoura- Enfoque Popular