Reportagem: Saulo Pithan

Fotos: Arquivo

O início de 2014 já havia deixado escancarado, mais uma vez, as deficiências do sistema elétrico na região. No último domingo, 16, falhas no sistema trouxeram perdas, prejuízos e muita dor de cabeça a comerciantes da região. Pela manhã, o Caverá Country Park, maior e mais importante equipamento turístico da região, teve que devolver o ingresso de centenas de turistas que encontraram os brinquedos desligados por conta das oscilações na rede de energia elétrica.

Operando com baixa potência, três dos principais equipamentos quem fazem parte do parque aquáticos acabaram queimando e não puderam mais funcionar.  De acordo com o proprietário do local, Eraldo de Souza Vieira, a piscina com ondas, a piscina dos elefantes e a recém construída rampa de surf tiveram seus motores danificados por conta do abastecimento de energia. “O que nos deixa mais preocupados ainda é o fato de estarmos iniciando mais uma temporada de verão com antigos problemas. A energia sempre foi nossa preocupação, pois apesar de cara causa muitos transtornos. Melhorias precisam ser feitas para que possamos atender o turista e proporcionar turismo com qualidade,” explica.

No escuro

Quem passou pelo centro da cidade na noite de domingo encontrou o calçadão no escuro. A única luz vista era a dos faróis dos veículos que circulavam pelas ruas centrais de Araranguá. O apagão que durou quase duas horas iniciou as 20h08min e só foi normalizado perto das 22h.

Bares, lanchonetes e restaurantes que estavam lotados no momento do blecaute foram completamente esvaziados, causando prejuízos e gerando transtornos aos comerciantes. A  revolta foi ainda maior quando os usuários tentaram acionar a Celesc, empresa responsável pelo fornecimento de energia. O contato com o atendimento realizado pelo telefone 0800 da empresa foi praticamente impossível e única mensagem ouvida do outro lado da linha era a gravação de voz do atendimento digital da Celesc. “Chega ser um absurda a falta de respeito com os clientes esse tipo de conduta. Pagamos a mais alta taxa de energia do país e ainda recebemos em troca o descaso e o desrespeito da Celesc. É nestas horas que precisávamos da ação competente de algum órgão fiscalizador,” cobra Ana Maria Duarte, proprietária de uma das lanchonetes afetadas.

Na avaliação dos comerciantes, o problema que persiste a longa data, se agiganta em épocas como o verão e é falha da coordenação do sistema.

Celesc reconhece falhas

Conforme o engenheiro elétrico da CelescJânio Canela, o apagão que afetou o centro da cidade tem causas ainda desconhecidas. “Não conseguimos identificar a causa do blecaute. Tentamos fazer vários religamentos durante este período mas não tivemos sucesso e conseguimos solucionar o problema somente as 21h42min. Oque podemos afirmar é que obras estão sendo feitas há mais de um mês na tentativa de evitar que situações como esta venham a se repetir.” Canela explica que a Celesc está substituindo os cabos antigos por cabos de rede compacta isolada, isso significa dizer que a capacidade de energia vai melhorar nos próximos dias e problemas de interrupções serão menores.

O engenheiro também não soube explicar o que ocasionou a oscilação de energia no Caverá Park, mas acredita que as obras de melhoria na rede que estavam sendo realizadas no domingo contribuíram para o problema. Os transtornos com a energia obrigaram  a empresa  a devolver ingresso aos turistas que tentaram se refugiar do calor se banhando nas águas do maior parque aquático do estado.