Na sessão da última quarta-feira, 3, a Câmara Municipal de Vereadores de Araranguá recebeu o professor da Unesc e escritor, Carlos Renato Carola. Ele fez uso da tribuna para destacar o livro 'Era uma vez o Rio Mãe Luzia', escrito em conjunto com o historiador Nilso Dassi, que também prestigiou a reunião legislativa.

Na oportunidade, o docente ressaltou o impacto causado pela indústria carbonífera em Santa Catarina. “Quanto vale a despoluição do Rio Mãe Luzia? Esse problema não é somente desse rio, mas de toda a Bacia Hidrográfica do Rio Araranguá”, ressaltou Carola.

Os vereadores presentes durante a explanação do professor destacaram a preocupação com o assunto. Na sessão, o Legislativo encaminhou a participação da Câmara Municipal no Movimento em Defesa do Rio Mãe Luzia. “Na próxima segunda-feira (oito de setembro) encaminharemos com os vereadores a solicitação para que a Câmara possa integrar esta Comissão”, reforçou Banha. O grupo é formado por representantes de municípios como Treviso, Forquilhinha, e é encabeçado pela Câmara de Vereadores de Nova Veneza.

Sobre a publicação

O livro foi lançado pela Universidade em quatro de junho e, desde aquela data, os autores estão divulgando o trabalho para chamar a atenção da sociedade com relação à recuperação do rio que atualmente sofre com a poluição gerada ao longo dos anos pelo processo de industrialização das cidades catarinenses e, principalmente, pela exploração do carvão. Algumas Câmaras Municipais já foram visitadas pelos dois estudiosos no intuito de gerar a conscientização e discussão a respeito do assunto.  

A obra apresenta um apanhado histórico reunindo informações do processo de desenvolvimento da população, desde os primórdios da colonização. O TCC, o Trabalho de Conclusão de Curso, de Nilso Dassi foi, segundo Carola, a motivação inicial do projeto.

Fonte e fotos: Assessoria de Imprensa