Na última sexta-feira, dia 16, a presidente e fundadora da instituição, a conselheira tutelar Márcia de Freitas, esteve na sede do poder legislativo municipal para acertar detalhes da apresentação sobre o local, que será feita durante a sessão. Segundo Márcia, o desejo de trabalhar na área da dependência química é antigo.

A representante da entidade conheceu de perto os efeitos causados pelo uso abusivo da bebida. “Meu marido veio a óbito pelo álcool; ele morreu muito jovem. Hoje é bem pior porque existem o crack, a cocaína e muitas outras drogas, sem falar nas lícitas – o cigarro, por exemplo, que mata milhões”, ressaltou a conselheira. Márcia também destacou o que a motivou a atuar nesse serviço. “Esse é um trabalho árduo, mas vale a pena. Eu acredito de verdade que o ser humano pode mudar”, explicou.

Atualmente, a entidade conta com a ajuda de voluntários para prestar o serviço voltado à recuperação de usuários de entorpecentes, e sobrevive de doações, contando com o apoio de comerciantes e empresários na aquisição de alimentos. Os maiores gastos da Casa do Oleiro hoje são com a compra de materiais de limpeza e higiene pessoal, e pagamento de água e luz, além do uso de gasolina.

Expectativa

Uma das metas da entidade é ampliar o trabalho realizado, estendendo o atendimento às famílias dos dependentes químicos e a pessoas de diferentes faixas etárias. Entre as ações que estão nos planos da Casa do Oleiro é a realização de prevenção contra o uso das drogas, palestras, atividades culturais, sociais e recreativas voltadas a crianças e adolescentes. O desenvolvimento de programas de amparo, conscientização e recuperação de jovens e adultos com problemas de dependência química é outro objetivo futuro da entidade.

Sobre a Casa do Oleiro

A instituição foi criada em 30 de abril de 2013 e está situada na Estrada Geral Operária, na localidade de Vista Alegre, No.77. Na Associação, 11 internos, do sexo masculino, recebem o tratamento para se livrarem das drogas, em um período de nove meses.

Além da consulta com psiquiatra e psicólogo, os ex – dependentes desenvolvem atividades que estimulam o aprendizado e o talento de cada um, como a realização de artesanato. Outra ação da Casa do Oleiro é a criação do Vocal Torre Forte. O conjunto, formado por monitores e internos, canta música gospel e apresenta-se em eventos. Há a participação de alguns grupos ligados a Igrejas que também desenvolvem um trabalho com a entidade, que trabalha também a espiritualidade dos internos.

Na entidade, as pessoas também aprendem a lidar com horta e criação de animais.

Fonte: Vanessa Irizaga- Assessoria de Imprensa  Câmara de Vereadores Araranguá