Ser usuário de cadeira de rodas desde os 20 anos, quando ainda era agricultor, não foi empecilho para que Moacir Rauber, hoje aos 46  anos se desenvolvesse como pessoa e como profissional, como demonstra a trajetória de empresário, professor, escritor, coach, palestrante e atleta. Os conceitos de superação e motivação foram divididos em uma palestra oferecida ontem a noite, dia 05, no auditório da Secretaria de Desenvolvimento Regional- SDR para agentes penitenciários de toda a região.

O encontro foi organizado pela direção do Presídio Regional de Araranguá mas contou com a participação de agentes vindos das unidade de Tubarão e Criciúma.

Durante o encontro emocionante, o facilitador mostrou através da palestra “Olhe mais uma vez,” que é preciso encontrar animo e fazer bem feito. “Esta atividade onde as pessoas correm riscos todos os dias e enfrentam de frente o perigo por si só já é desmotivadora. Uma palestra como esta tem a finalidade inicial de valorizar o profissional que trabalha com a segurança pública e mostrar sua real e verdadeira importância,” destacou o palestrante.

Moacir através de sua palestra conseguiu mostrar  o porque é uma grande inspiração para todos. Mesmo  sendo cadeirante, entre o trabalho e os estudos, encontrou tempo para ser atleta de Remo que o levou para a Seleção Brasileira de 2004 a 2008, dando-lhe a possibilidade de participar em três campeonatos mundiais, sendo eles na Espanha, na Inglaterra e na Alemanha. Trata-se de um esporte de alto rendimento em que a sorte nada ou pouco representa. Cada regata se desenvolve com aproximadamente 200 remadas desde seu início ao seu final. Não há espaço para erros. Há o resultado do preparo, da dedicação e da força de vontade de cada competidor. “Tudo que fazemos é preciso fazer bem feito. Que a gente possa chegar todos os dias em casa e dizer que fez o melhor, que deu o melhor da gente,” motiva.

Para a diretora do Presídio Regional de Araranguá, Barbara Santos de Souza, o momento foi de reconhecer a importância do agente penitenciário e valoriza-lo em sua plenitude. “Nós realizamos um trabalho nobre, que trata da ressocialização e isso é muito difícil. Enfrentamos diariamente as mais diferentes adversidade e ganhar uma boa dose de motivação nos ajuda a enfrentar melhor os desafios, com mais coragem e determinação,” explica.

Reportagem: Saulo Pithan

Fotos: Daniel Camilo