“Tivemos o caso de uma criança que escreveu uma carta pedindo ajuda aos professores. Quando fui conversar com ela, disse que estava se sentindo angustiada porque os colegas faziam piadas sobre o seu corpo. Inclusive chegou a fazer cortes no próprio braço. Era a forma de ela pedir socorro”.

Episódios como esse relatado por uma diretora* de uma escola estadual de SC são comuns no dia a dia de muitos professores. Nesse caso, a violência psicológica deixou marcas. Além da automutilação, as notas da criança pioraram e houve uma baixa na autoestima, prejudicando o aprendizado.

Para diminuir o número de casos como esse, o deputado estadual Milton Hobus (PSD) protocolou na Assembleia Legislativa de Santa Catarina (Alesc) projeto de lei que institui a Semana Estadual de Combate ao Bullying, a ser realizada na terceira semana de setembro. A proposta foi aprovada pela Comissão de Justiça do Legislativo nessa terça-feira.

O objetivo é prevenir a prática dessa agressão física e psicológica nas escolas estaduais por meio de orientação a familiares, professores e equipe pedagógica, além de divulgar e promover o Programa de Combate ao Bullying, instituído em 2009.

No Estado, segundo a Pesquisa Nacional de Saúde Escolar (PeNSE) 2016, do IBGE, 68,1% dos estudantes do 9º ano afirmaram que já foram humilhados por colegas. O levantamento ouviu 3,6 mil jovens de 145 escolas públicas e privadas. SC ficou acima da média da região sul (61,4%) e do país (61,1%).

“Essa forma de violência, muitas vezes interpretadas como ‘brincadeiras’, interfere no processo de aprendizagem e no desenvolvimento do jovem, além de favorecer o surgimento de um clima escolar de medo e insegurança”, destaca Hobus.

O projeto de lei apresentado pelo parlamentar é uma sugestão dos alunos da Escola de Educação Básica Aleixo Dellagiustina, de Ituporanga, que participaram do programa Parlamento Jovem Catarinense. O grupo conheceu o trabalho dos deputados e entregou duas propostas de lei produzidas por eles com a ajuda da equipe do Legislativo.

*Não citamos o nome da diretora nem a instituição onde ocorreu a agressão para preservar a vítima.

Entenda o bullying (Fonte: Ministério Público de SC)

O que é bullying

Bullying são atitudes agressivas praticadas de forma repetitiva com intuito de humilhar ou intimidar uma ou mais pessoas.

Quem faz bullying

Durante a vida escolar, os alunos podem viver alternância dos papéis, ora sofrendo, ora praticando bullying.

O que é cyberbullying

Veiculado principalmente na rede mundial de computadores (internet) e celulares, causa sofrimento incalculável, em virtude da velocidade com que a agressão se multiplica e, muitas vezes, por ser de origem anônima ou falsa.

Sinais de bullying na criança

Não tem vontade de ir para a escola. Apresenta baixo rendimento escolar. Volta da escola com roupas ou livros rasgados. Isola-se dos amigos e da família;

Geralmente aparenta estar triste, deprimido, ansiosa ou aflita. Fica agressiva sem motivo aparente. Apresenta ideias negativas de si.

Conheça mais sobre o projeto de lei em bit.ly/semanabullying

Fonte: Jacson Almeida