Um relatório emitido pela EPAGRI nesta segunda-feira, 19, aponta que 11 rios de Santa Catarina estão em condições de “regime hídrico extremo", com pontos de emergência ou alerta. Dentre eles está o Rio Araranguá. O motivo, segundo especialistas, é a estiagem que está fazendo com que os rios e afluentes fiquem em níveis preocupantes.

O Estado de Santa Catarina vem sofrendo com a falta de chuva desde o mês julho. Por esse motivo está faltando água em regiões onde há alta densidade demográfica, como no caso da Grande Florianópolis. A chuva, que caiu durante o fim de semana, amenizou, mas não resolveu o problema dos reservatórios que se mantem em níveis baixos.

De acordo com o relatório, a região do Vale do Araranguá não está fora do perigo da falta de água. Se a estiagem permanecer por mais dias, o volume de água no lençol freático pode baixar ainda mais, ocasionando, consequentemente, a falta de água para abastecimento das residências na região Sul.

Segundo o meteorologista da EPAGRI, Márcio Sonego, a região Sul teve registro pluviométrico negativo em 50 milímetros na região Sul do Estado.

“Pouquíssima precipitação prevista para esses próximos 10 dias. Na última semana de setembro há uma previsão de chuva, mas não será suficiente para repor a água do lençol freático em Santa Catarina”, lembrou Sonêgo.

Ainda de acordo com o meteorologista, o mês de agosto deve permanecer bem seco, com a ausência de chuva. Ele lembra que a semana começou com 6°C no município de Timbé do Sul e segue a mesma tendência até sexta-feira, 23. As temperaturas máximas não passam muito de 20 °C.

Para o mês de setembro estão previstas mais duas massas de ar frio que devem deixar o ar gelado na região.

O relatório da EPAGRI lista mais 10 rios, além do Araranguá, como em condições de “regime hídrico extremo”. São eles: Jacutinga, Rio Tubarão, Rio Camboriú, Rio Cubatão do Sul, Rio do Peixe, Rio Itajaí-Açú, Rio Canoinhas, Rio Canoas, Rio Negro e Rio Tijucas.