Foi aprovado no Senado Federal um projeto que torna mais rígida a punição para a prática de perseguição obsessiva, ou stalking, ou seja, stalkear pode virar um crime. A iniciativa partiu da senadora Rose de Freitas (Podemos-ES), e já foi aprovada no Senado. A pena pode chegar até três anos de detenção para quem "Stalkear", ou perseguir obsessivamente as pessoas, molestar alguém, por motivo reprovável, de maneira insidiosa ou obsessiva, direta ou indiretamente, de modo a prejudicar a liberdade.

A proposta da deputada surgiu e foi aprovada na casa de representantes brasileiros. Na opinião do Advogado Criminalista, Diego Campos Maciel, essa medida é necessária. “Relatórios de empresas norte americanas apontam que 62% da população brasileira está ativa nas redes sociais, sendo que entre as redes sociais mais acessadas pelos brasileiros está o YouTube, com 60% de acesso, o Facebook com 59%, o WhatsApp com 56% e o Instagram com 40%, com o aumento da popularidade das redes sociais, é impossível negar que muitas pessoas encontram nelas uma forma de acompanhar outras pessoas. Essas mudanças mostram que a internet não é terra sem lei”.

O projeto que segundo a deputada não se trata de punir, por exemplo, um amor platônico, mas sim de punir as consequências da externalização insidiosa ou obsessiva das paixões contemporâneas, irá para votação na Câmara dos Deputados e se aprovado vai para sanção do Presidente da República, Jair Bolsonaro.