Um dos principais objetivos do jornalismo é tentar ajudar as pessoas. E é exatamente esta a finalidade desta matéria. Há poucas horas, a reportagem do Grupo W3 recebeu um apelo desesperado dos pais da pequena Ana Clara Aguiar Sotero. A menina, de apenas quatro meses, luta pela vida.

Segundo o pai, Gregorio Sotero, na última sexta-feira, 18, em consulta ao pediatra, o médico identificou uma alteração no fígado de Ana Clara e imediatamente a encaminhou para o Hospital Regional de Araranguá. De lá, depois de exames, que constataram alterações severas no órgão, ela foi transferida para o hospital Joana de Gusmão, em Florianópolis, onde permanece internada.

O desespero dos pais se dá por conta na demora da transferência da menina para Porto Alegre. “O fígado dela está infeccionado, correndo risco de entrar em falência a qualquer momento. Como ela não reage à medicação, irá precisar de um transplante e este procedimento não tem como ser feito aqui. Foi solicitada transferência para São Paulo, porém não tinha vaga, conseguiram em Porto Alegre, mas até o momento não levaram ela ainda”, destaca.

Conforme Gregório, a cada dia ele e a mãe de Ana Clara, Juliana Aguiar, ouvem uma explicação diferente. “Um dia disseram que é porque não tinha transporte, no outro dia é porque não tinha vaga, e agora nos disseram que é porque seria um custo muito alto. Estamos perdendo as nossas forças, é muito triste olhar para a sua bebê sofrendo, sabendo que ela precisa ser transferida e não saber quando isso vai acontecer. Pedimos, por favor, que transferiram a nossa filha”, ressalta.

A reportagem do Grupo W3 entrou em contato com a secretaria de Saúde do Estado, a fim de buscar explicações e tentar agilizar a transferência de Ana Clara. Segundo o assessor de comunicação do órgão, o pedido precisaria ser formalizado por e-mail. O mesmo foi enviado no final da tarde desta segunda-feira, 28, agora, a reportagem e os pais de Ana Clara, aguardam respostas.