A sociedade civil organizada, empresários, sindicatos de trabalhadores, associações de moradores, diretores de escolas, vereadores e técnicos e gestores da administração municipal de Maracajá se reúnem nesta quarta-feira, 31, a partir das 18h, no Centro de Convivência da Terceira Idade, para discutir formas de reduzir os impactos em razão da implantação de praças de cobrança de pedágio no trecho sul da BR-101.

O encontro está sendo articulado pela administração municipal em parceria com a Câmara de Vereadores e pretende ser um fórum amplo de debates de obras e ações que ainda precisam ser executadas na rodovia federal, antes da implantação de praças de pedágio, que, fatalmente, ocorrerá no decorrer de 2019. O encontro é resultado de reunião realizada na quarta-feira passada (24) na Amesc.

"O prazo para convocação e execução do encontro é curto, mas não há dúvidas que o impacto das praças de pedágio será para todo o município e é importante a participação de todos os segmentos organizados e da comunidade de forma geral", comenta o prefeito Arlindo Rocha, lembrando que deslocamentos de Maracajá para Araranguá exigirão o pagamento de pedágios, atualmente previsto em cerca de R$ 3,97.

Técnicos da administração municipal já elencaram, por exemplo, necessidade de obras de pavimentação de vias marginais da rodovia federal entre o Acesso Norte de Maracajá à BR-101 e as localidades de Sangão Madalena e Espigão da Toca, de um acesso ao Parque Ecológico Maracajá para quem trafega na direção sul/norte, de uma nova alça para atender os ônibus que saem do Shopping Pórtico em direção ao norte pela BR-101, entre outras.

O presidente da Câmara Municipal, vereador Geraldo Leandro pondera da importância da participação de empresários do município no encontro. "A questão dos pedágio preocupa a todos, mas as empresas terão elevação de seus custos e exigirá opções de logísticas para atender suas necessidades, além disso, há o interesse comunitário destes empresários", disse o parlamentar.

Fonte: Assessoria de Comunicação