Embora o Brasil tenha ganho em 2016 o certificado de eliminação do sarampo, as regiões norte e sudeste do país apresentaram recentemente casos da doença. Com o aumento nos números de pessoas que contraíram o vírus, os profissionais da saúde dobraram a atenção para os sintomas e o Governo Federal decidiu reforçar a importância da vacinação, fazendo campanhas específicas.

A campanha de vacinação contra o sarampo e a paralisia infantil ocorre entre os dias 6 a 31 de agosto, tendo foco principal a imunização de crianças na faixa etária entre 12 meses e menores de cinco anos, é o que conta a técnica do departamento de imunização da gerência de Saúde da ADR, Bárbara Cristiano Monteiro. “Todas as crianças nesta idade terão direito a dose da vacina neste período, independentemente da situação vacinal. A imunização será feita contra a poliomielite, sarampo, caxumba e rubéola”, destaca.

Segundo Bárbara todos os Postos de Saúde na região já possuem a vacina. “As doses estão disponíveis em todas as unidades durante o ano todo. Adultos também devem receber a imunização. Pessoas com até 29 anos devem receber duas doses e até 49 anos devem receber apenas uma. É indicado ir até a unidade de saúde mais próxima com a caderneta de vacina e verificar a situação”, salienta.

Sintomas da doença

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS) o sarampo é uma doença grave e altamente contagiosa. Causado por um vírus da família paramyxorividae, é normalmente transmitido por meio de contato direto ou pelo ar. O primeiro sinal do contágio é geralmente a febre alta, que começa entre 10 e 12 dias após a exposição ao vírus. Na fase inicial, o paciente pode apresentar secreções no nariz, tosse, olhos vermelhos e aquosos. Pequenas manchas brancas dentro das bochechas também podem se desenvolver. Após alguns dias, surgem as erupções cutâneas, que atingem geralmente o rosto e na parte superior do pescoço, se espalhando e atingindo eventualmente as mãos e os pés. As lesões duram entre cinco e seis dias, desaparecendo em seguida. O intervalo entre a exposição ao vírus e a aparição das erupções cutâneas oscilam entre 7 e 18 dias.

A melhor maneira de prevenção é a vacina tetraviral. Ela protege a criança da catapora, sarampo, caxumba e rubéola. Ventilar os ambientes e higienizar as mãos com frequência também auxiliam na hora de evitar a contração do vírus.