As crianças e adolescentes da Casa Lar Associação Irmã Carmen, de Araranguá, receberam no último sábado, dia 7, a visita dos membros do Movimento Cursilhista de Santa Rosa do Sul. Também participaram do encontro, os familiares dos cursilhistas e de colaboradores da Casa Lar.

A iniciativa foi da diretoria da instituição que, em uma das reuniões, decidiu convidar o Padre Vilcionei Baggio para realizar uma celebração na casa. A participação dos cursilhistas de Santa Rosa do Sul surgiu por meio da psicóloga da Casa-Lar e membro da coordenação paroquial do movimento, Mauza Ramos da Cunha.

“A ideia do Padre Vilcionei partiu da coordenação pois ele já tinha uma relação com a casa. Nós falamos com ele para saber se tinha disponibilidade. Seria uma celebração, mas por conta do tempo nós fizemos apenas um momento de espiritualidade. Nós do cursilho sempre procuramos uma instituição, uma vez por mês, para realizar esses eventos com a sociedade em geral”, explica.

A palestra ministrada pelo padre Vilcionei Baggio na capela deu início a tarde de atividades na Casa-Lar. O religioso falou sobre valores humanos, a importância do amor, respeito, gratidão e a presença de Deus na vida das pessoas. Um momento de reflexão, com todos ouvindo atentamente o Padre. De forma bem-humorada, Padre Vilcionei usou exemplos da época em que esteve no seminário para tratar de questões como a importância de determinar regras às crianças e adolescentes para um bom convívio em grupo e em sociedade.

“As pessoas que me amaram foram aquelas que mais exigiram de mim, são as que mais pediram para fazer coisas que eu não gostava de fazer. Mas eram coisas certas para serem feitas. É um desafio na nossa família. É um desafio na minha escola. É um desafio para todo mundo”, disse o padre no encontro.

Após a palestra, as crianças fizeram um lanche especial no refeitório da instituição. O lanche foi todo fornecido e organizado pelos cursilhistas de Santa Rosa do Sul. Enquanto isso, acompanhavam a apresentação do professor Edmar Martins e os alunos do projeto “A música como agente transformador”. Com violão e flauta, eles apresentaram um pouco do que é ensinado na oficina durante a semana. 

O dia contou ainda com algumas brincadeiras e dinâmicas no pátio da casa. Para encerrar o encontro, as crianças e adolescentes foram presenteados com pacotes de doces oferecidos pelos cursilhistas

Fonte: Samuel Cardoso Soares