A situação é geral. No estado de Santa Catarina, mais de 350 mil pessoas não haviam se imunizado contra o vírus da Influenza até ontem, 25. Seguindo esta tendência, a região da Associação dos Municípios do Extremo Sul Catarinense também está abaixo da meta de imunização estipulada pelo Ministério da Saúde. O alerta maior é devido ao prazo final da campanha, que encerra nesta sexta-feira, 26.

Do total de 90% entre o público alvo, os 15 municípios da região atingiram o percentual de 85%, segundo dados oficiais da gerência de Saúde da ADR de Araranguá. Segundo a técnica em imunização, Bárbara Cristiano Monteiro, alguns municípios atingiram a meta – como é o caso de Balneário Arroio do Silva, Balneário Gaivota, Jacinto Machado, Meleiro, Morro Grande, Praia Grande, Santa Rosa do Sul e São João do Sul. Já os demais, ainda estão abaixo da meta – os municípios com o menor índice de vacinação são Sombrio, com 69,86% e Timbé do Sul, com 67,19%.

De acordo com a técnica, o dado mais preocupante é com relação à imunização das crianças, que da meta, atingiram apenas 60%. “A informação que recebemos das salas de vacina dos municípios é de que as mães se recusam a fazer a vacina nos filhos, mas não esclarecem o motivo”, afirma.

Ainda dá tempo

A campanha de vacinação contra a gripe encerra na próxima sexta-feira e, segundo Bárbara, não deverá ser prorrogada. “A informação que recebemos foi de que o Ministério da Saúde não irá prorrogar a campanha. Portanto, quem está incluso nos grupos prioritários deve aproveitar os próximos dias para garantir sua imunização”, destaca.

No público-alvo da campanha estão crianças de seis meses a cinco anos de idade, gestantes, puérperas, trabalhadores de saúde e idosos. “Orientamos a estas pessoas que procurem o posto de saúde mais próximo para se imunizar”, acrescenta.

Araranguá também está abaixo

A maior cidade do Vale também está com o índice de vacinação abaixo da meta estipulada. O percentual chega a 84,97%, tendo a menor taxa de imunização nas crianças, com apenas 63,33%. “É importante deixar bem claro que os demais públicos, como professores, pacientes com comorbidades e os pessoas privadas de liberdade não fazem parte do grupo prioritário. Eles participam da campanha, mas não temos meta de vacinação”, explica a coordenadora da Vigilância Epidemiológica e Imunizações da Secretaria Municipal de Saúde, Cláudia Bertoncini Zanette.

A gripe em Santa Catarina

O número de casos de gripe pelo vírus influenza em Santa Catarina vem aumentando nas últimas semanas. De acordo com o site da Diretoria de Vigilância Epidemiológica, de janeiro a maio, foram notificados 491 casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave em Santa Catarina, segundo com o Informe Epidemiológico n0 08/2017- Vigilância da Influenza, divulgado na última quarta-feira, 24, pela Dive/SC.

Destes, 94 (19,1%) foram confirmados para influenza, sendo um (1,1%) pelo vírus Influenza A(H1N1)pdm09, 86 (91,5%) pelo vírus A(H3N2), um (1,1%) aguardando subtipagem para identificação do tipo de vírus influenza A e 6 (6,4%) pelo vírus influenza B. Dos casos confirmados, 60 apresentavam algum fator de risco associado. A maioria era de idosos (34 casos), seguidos por doentes crônicos (12 casos). Do total, 66 evoluíram para a cura, 14 ainda estão aguardando a evolução e 11 foram a óbito.

Fonte: Jornal Bolsão