Eles brincam com o perigo e saltam sem medo de uma altura considerável em um rio com no mínimo 15 metros de profundidade. As cenas que você vê nesta reportagem são flagras obtidos com exclusividade pelo Jornal W3 e mostram com clareza uma brincadeira arriscada que pode terminar sem direito a final feliz.

Apesar de saber os riscos que correm, crianças e adolescentes com idade entre 11 e 16 anos, desafiavam a própria sorte e esbaldavam-se nas águas poluídas do Rio Araranguá, na tarde da última quarta-feira, dia 9, quando foram ouvidos pela reportagem. Os sete garotos são todos menores de idade e não serão identificados. A maioria afirma que já frequenta o local há longa data e alguns deles contam até que aprenderam a nadar ali, tendo o próprio Rio como professor. Indagados sobre os riscos à saúde e sobre outros afogamentos que terminaram em morte, os adolescentes afirmam que a atividade é normal e já faz parte da rotina de quem vive às margens do Rio Araranguá. “A maioria mora aqui por perto, no bairro Barranca, mas tem uma grande quantidade de pessoas que vem só para brincar às margens do Rio. Alguns chegam a saltar de cima da ponte”, conta um dos garotos.

Ocorrências de afogamento

O último domingo, dia 06, foi tenso para o jovem Jackson Costa, isso porque em uma tarde ensolarada e quente o garoto decidiu aproveitar o clima para se refrescar no Rio que fica em frente a sua residência, na Estrada Geral no bairro Taquarussu, no município de Ermo.

Quando menos esperava, ele resvalou de uma ribanceira e foi parar dentro do rio, mas o local onde caiu, não dava pé. Por não saber nadar, submergiu por diversas vezes. Os familiares tentaram auxiliar, mas sem êxito foi chamada uma guarnição do Corpo de Bombeiros, que constatou afogamento Grau I. Em seguida Jackson foi levado para o hospital Regional de Araranguá e foi atendido pela equipe médica.

Casos como esse se tornam mais comuns e rotineiros na temporada de verão, levando em consideração as altas temperaturas, onde muitas pessoas acabam procurando lugares para se refrescar. Algumas vezes são escolhidos locais desconhecidos e impróprios para banho.

Letícia Camilo, médica dermatologista

A prática de tomar banho em locais assim, causam alguns problemas a saúde. A reportagem do Grupo W3 conversou com a médica dermatologista, Letícia Camilo, que concedeu algumas orientações para a população. "É preciso verificar a procedência da água antes de entrar, pois pode haver a contaminação, por meio de metais pesados que são jogados dentro das águas que nos rodeiam", contou.

Além disso ela conta que o contato com águas impróprias para banho, podem causar um série de doenças. "No verão existe um aumento na proliferação de bactérias, e também a contaminação de conjuntivite e as próprias intoxicações. Sem falar que a pessoa estando em um lugar impróprio para banho pode ter problemas na pele, como micoses e outras".

Operação veraneio

Anualmente acontece a operação veraneio, esta que visa também cuidar e intensificar a segurança em locais específicos, principalmente nas praias.

Neste ano, segundo a Soldada Karoline, do Corpo de Bombeiros de Araranguá, a operação veraneio iniciou hoje "Demos início hoje à operação veraneio e ela se estende até o dia 15 de março. No Balneário Arroio do Silva terão 28 postos de guarda-vidas, já no Balneário Morro dos Conventos serão 10 postos", pontuou.

O Corpo de Bombeiros do Estado de Santa Catarina repassa algumas orientações para esses momentos de lazer

- Não superestime sua capacidade de nadar. Avalie as consequências de um possível incidente

- Em água doce ou salgada, prefira banhar-se em locais rasos e sem correnteza

- Se notar que está sendo arrastado por uma dessas correntes, mantenha-se calmo e tente acenar ou gritar por socorro enquanto nada transversalmente (para o lado, em vez de para o raso)

- Não tente salvar pessoas vítimas de afogamento sem estar habilitado. Neste caso, lance algum objeto que a ajude a vítima a flutuar e acione guarda-vidas ou a emergência pelo telefone 193

- Crianças exigem cuidado redobrado. Não as perca de vista

- Sempre que possível, opte pelo uso do colete salva-vidas ao invés de objetos flutuantes

- Nunca nade após ingerir bebidas alcoólicas, alimentos ou se estiver passando mal ou com frio

- Evite aproximar-se de costões. Ao caminhar sobre as pedras destes ambientes, observe antes se uma onda não poderá atingi-lo e jogá-lo no mar

- Antes de mergulhar, certifique-se da profundidade. Um acidente pode provocar sequelas irreversíveis

Em local monitorado 

- Para maior segurança, banhe-se num raio de 200m do posto de guarda-vidas

- Atente para a sinalização de praia. Observe a bandeira fixada no posto dos guarda vidas:

• Vermelha: risco elevado de afogamentos

• Amarela: risco médio de afogamentos

• Verde: risco baixo de afogamentos

- As bandeiras vermelhas na FAIXA DE AREIA indicam as correntes de retorno. Evite estes pontos.

- Sempre acate as orientações dos guarda-vidas