A AMESC - Associação dos Municípios do Extremo Sul Catarinense descartou na manhã desta segunda-feira, 29, em reunião com integrantes do Sindisaúde - Sindicato dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Saúde de Criciúma e Região, qualquer possibilidade em assumir a administração do Hospital Regional de Araranguá, hoje administrada pela SPDM - Sociedade Paulista de Medicina.

Durante a reunião, que aconteceu em Criciúma, o presidente da Amesc, Jonnei Zannete, e o presidente do Cisamesc - Consórcio Intermunicipal de Saúde da Amesc, Wagner da Rosa, reafirmaram o desinteresse na administração do maior hospital público da região do Vale em função da ausência de garantias por parte do Governo do Estado.

Segundo eles, várias reuniões debatendo o assunto foram realizadas entre autoridades políticas, entidades de classe , comunidade e o próprio Secretário Estadual de Saúde, que esteve em Araranguá, em reunião na Câmara de Vereadores, sem que houvesse nenhuma garantia por parte do secretário João Paulo Kleinübing capaz de convencer a Amesc, o Cisamesc, autoridades e entidades de classe de que assumir a administração do HRA seria uma decisão correta e segura para a Amesc: "Não houve por parte do governo nenhuma garantia com relação ao repasses e investimentos. Se a municipalização acontecesse e o governo atrasasse os repasses, como vem fazendo constantemente, não há dinheiro em caixa na Amesc para suprir os pagamentos e honrar os compromissos do hospital", finalizou o presidente da Cisamesc.