Com objetivo de buscar apoio do Governo do Estado para a implantação efetiva do projeto de despoluição do Rio Mãe Luzia, representantes do Fórum Permanente reuniram-se na tarde desta quarta-feira, 1º de junho, com membros da Diretoria de Recursos Hídricos (DRI) da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Sustentável.

Três projetos foram apresentados: um para restauração da calha e margens do Rio Mãe Luzia; outro para recuperação e preservação de nascentes da Bacia do Rio Mãe Luzia; e por fim, um para que seja realizada uma avaliação do potencial poluidor dos sedimentos do Rio Mãe Luzia. Em valores, todos somariam um investimento de mais de R$ 20 milhões.

O diretor da SDS, Bruno Henrique Beilfuss afirmou que, para que existam resultados e o início efetivo da campanha já neste ano, será preciso elencar um ponto entre todos os projetos para apresentar ao Governo do Estado em busca de recursos. “O valor do projeto total é bastante elevado, e por isso, precisamos ser realistas. A intenção é eleger um ponto de partida, para que assim consigamos garantir que a proposta de despoluição realmente comece a sair do papel. O restante dos recursos vamos conquistando aos poucos, nos próximos anos”, completou.

O Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Araranguá é um dos grandes atuadores no Fórum Permanente pela Despoluição. “O Rio Mãe Luzia é um dos principais da nossa Bacia Hidrográfica. Queremos que esse projeto saia do papel o quanto antes, e para isso, queremos unir todas as frentes, sejam políticas ou da sociedade civil, para fortalecer o movimento”, acrescentou o presidente do Comitê, Sérgio Marini.

Por fim, a presidente do Fórum, professora Miriam da Conceição Martins, ressaltou que, como encaminhamentos, foram definidos dois pontos: a união de técnicos da SDS e do Iparque, da Unesc, para a formação de um cadastro geral de atividades poluidoras; e uma nova reunião interna, com os membros do Fórum, para definir já na próxima semana qual ação será escolhida entre os projetos realizados até agora. “Vamos trabalhar rápido para, ainda neste ano, darmos início à tão esperada campanha de despoluição do Rio Mãe Luzia”, finalizou.

Fonte: Francine Ferreira