A Doença de Alzheimer acomete mais de 35,6 milhões de pessoas em todo o mundo e destas, estima-se que 1,2 milhão viva no Brasil. Os dados são da ABRAz (Associação Brasileira de Alzheimer), que alerta para o fato de que boa parte dos casos ainda não possuem diagnóstico. A doença é alvo de muitas pesquisas e será o tema do segundo Café com Ciência, uma parceria entre a Unesc e a ACIC (Associação Empresarial de Criciúma). A palestra ocorre nesta quarta-feira (1º/6) às 18h30, na sede da ACIC, com a professora doutora da Unesc, Josiane Budni e é gratuita e aberta ao público.

A doença foi descrita pela primeira vez em 1906, pelo médico Alois Alzheimer. Os pacientes podem apresentar demência ou perda de funções cognitivas (memória, orientação, atenção e linguagem), causada pela morte de células cerebrais. A maioria dos casos é em pessoas idosas. O Alzheimer não tem cura, mas quando diagnosticado no início, é possível retardar o seu avanço e melhorar a qualidade de vida do paciente e da família.

O Café com Ciência é uma das ações do Projeto Ciência & Comunidade e tem como objetivo aproximar a população do conhecimento científico. A ação é uma iniciativa do PPGCS (Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde da Unesc) e será desenvolvida ao longo do ano por professores doutores da Instituição. Os encontros ocorrerão sempre na sede da ACIC e totalizarão oito em 2016.

O primeiro trouxe o alcoolismo como tema. Assuntos como doenças respiratórias; doenças psiquiátricas como depressão e transtorno bipolar; exercício físico na saúde e na doença; doenças respiratórias; diabetes e obesidade serão abordados nos encontros.

Fonte: Milena Nandi- Imprensa Unesc