Com um movimento um pouco menor em relação às edições anteriores, em razão do momento nacional, o Santuário Diocesano Nossa Senhora de Caravaggio, em Nova Veneza, realizou neste domingo a sua 67ª Romaria e Festa em honra a Padroeira. A transladação saiu da Paróquia Nossa Senhora da Oração, de Turvo. Milhares de fiéis participaram da tradicional missa campal, presidida pelo Bispo da Diocese de Criciúma, Dom Jacinto Inacio Flach, e concelebrada pelos padres Joel Sávio, Gilson Pereira e Valdemar Carminati, Reitor do Santuário.

“A festa é sempre um momento bonito de fé, de manifestação de alegria, de amor a Cristo, porque quem ama Maria está, automaticamente, amando a Cristo. Ele é quem dá a graça, quem faz os milagres e ela é a intercessora e tem um lugar especial na história da salvação, na vida de Cristo, até o final. A movimentação foi muito boa. Claro, que sentimos o efeito da situação que se está vivendo. Nessa hora temos que estar todos juntos, solidários, porque a causa é comum, o sofrimento é de todos, especialmente dos mais fracos e pobres que precisam de mais atenção. Todos sofrem com a corrupção e com tudo o que está acontecendo no país”, disse padre Valdemar.

Em sua homilia, Dom Jacinto manifestou sua alegria, no domingo em que a Igreja recorda a Santíssima Trindade, pela celebração de uma das maiores festas da Diocese. O Bispo enfatizou o grande amor de Deus pela humanidade e a intercessão de Maria. “Santo Afonso Maria de Ligório dizia que todos os pedidos que Maria pede por nós são atendidos. Maria não tempo o poder; quem o tem é Deus, mas ela, na terra, fez a vontade de Deus sempre, por isso, no céu, ela é a mais próxima da Santíssima Trindade. Tenho certeza de que ninguém veio só por vir. No coração de cada um e cada uma tem fé e esta fé é importante para Deus e Nossa Senhora. Alegro-me muito com todos vocês aqui e com tantas pessoas que se fizeram presentes na novena em preparação a festa”, saudou o Bispo Diocesano.

Dom Jacinto, ao subir a colina de Caravaggio, disse que viu muitos romeiros seguindo a pé. “Talvez muitos sejam peregrinos, iriam caminhar mesmo, mas outros vieram a pé porque, talvez, não tivessem gasolina, mas a fé está acima de tudo isso! Vamos rezar e nesta semana muitas coisas, com certeza, voltarão à normalidade. Não podemos perder a esperança, o diálogo e confiar muito na presença de Deus. Somos pequenos, mas grandes e fortes com Deus!”, declarou o epíscopo.

Conforme Dom Jacinto, mesmo diante dos momentos de dificuldade que a sociedade brasileira enfrenta durante a greve dos caminhoneiros, todos os cristãos devem lembrar que são irmãos e irmãs. “Precisamos sempre rezar, pedir muito a Deus e a Nossa Senhora que ilumine nossos governantes, nossos representantes que têm o poder de fazer muitas coisas em favor do povo. Para isso, precisam ser bem iluminados. E para que aqueles que estão representando, neste momento, a sociedade, possam ter diálogo. É preciso encontrar saídas que favoreçam a todos; isto devemos pedir, acima de tudo. Queremos um Brasil cada vez melhor, mas precisamos da ajuda de Deus na mente e no coração das pessoas”, frisou o Bispo.

Graças alcançadas

Todos os anos, muitos são os relatos de milagres obtidos pela intercessão da Virgem Maria. Neste ano, a devota Adriana Barbosa vestiu a pequena Isadora de anjo, em agradecimento à saúde da menina. “A Isadora veio de uma gestação complicada. Quando nasceu, foi feita uma cesárea de urgência e ficou 10 dias internada no CTI do hospital. Nem eu podia tocá-la. Com a graça de Deus e de Nossa Senhora ela está aqui agora”, contou, em meio a lágrimas de emoção, a mãe, que sempre que via a imagem de Nossa Senhora de Caravaggio pedia sua intercessão.

Também o casal Josemara e Vilson Somariva, morador do distrito de Caravaggio, tiveram graças para agradecer durante a festa. Antes, a promessa para ter filhos; depois, a alegria do nascimento dos trigêmeos Júlia, Jamile e Vitor Hugo. As crianças, de oito anos de idade, que já participam do Coral Pequenos Peregrinos, do Santuário, participaram pela primeira vez como anjinhos, já que Jamile tinha grande sensibilidade ao barulho dos fogos de artifício e agora venceu o receio. Além disso, a menina nasceu com má formação na coluna e, após sete cirurgias, pôde participar com os irmãos da acolhida da imagem de Nossa Senhora. “Nossa Senhora de Caravaggio abençoou nos com nossos três filhos”, sorriu a mãe.

Fonte: Bibiana Pignatel Setor de Comunicação Diocese de Criciúma