Todos os anos, centenas de pilotos somam-se à milhares de apaixonados pela velocidade e tomam o mesmo rumo: o município litorâneo de Balneário Arroio do Silva.  Na cidade dos grandes eventos, a Arrancada de Caminhões é o destino certo de aproximadamente 200 mil pessoas, que durante os quatro dias visitam a festa. A expectativa este ano é atrair um público ainda maior. É isso o que prevê a organização da XXVI edição da Arrancada de Caminhões, o maior evento do gênero no mundo.

Otimista, o prefeito do município, Evandro Scaini, antecipa que para este ano, a preocupação foi em oferecer uma estrutura ainda mais completa. Ele revela também que houveram algumas alterações no regulamento com objetivo de assegurar maior segurança aos competidores, público e organização e também para garantir a preservação ambiental.  O escapamento dos caminhões agora não mais poderá ser voltado para baixo, para evitar respingar óleo no chão. Esta é apenas uma das várias alterações que o regulamento sofreu nesta edição.

Público mais perto do espetáculo

A estrutura do evento também passou por algumas modificações. As grades de contenção, os chamados “guard rails”, foram adquiridos pela prefeitura e em alguns pontos serão colocados de forma dupla para aumentar a segurança. A iluminação em locais próximo ao parque de Arrancada, também foi ampliada, os arroios que desaguam no mar foram tubulados com antecedência para manter a areia da praia seca e evitar derramamento dos veículos de grande porte e os camarotes que na edição anterior ficavam há 12 metros de distância da pista, agora ficarão mais próximos, há apenas oito metros longe do grande espetáculo de velocidade.

Preocupação com a preservação ambiental

Mas não é apenas a preocupação com a infraestrutura do evento, os competidores ou grande público. A iniciativa tem foco na preservação ambiental e para garantir que o impacto causado pelo evento seja o mínimo, a organização está investindo na conscientização dos expectadores. Dezenas de placas alertando sobre a preservação de dunas e a utilização da faixa de areia foram colocadas.

Fiscais do município também estarão vistoriando as áreas que foram demarcadas e isoladas para o tráfego do público. Para compensar a emissão de gases poluentes, o evento estará distribuindo centenas de mudas de árvores durante sua realização. “A ideia é atender às exigências do órgãos ambientais, mas ao mesmo tempo realizar uma grande festa com foco também na preservação da natureza. São várias as iniciativas para evitar que o meio ambiente sofra um impacto grande. Até mesmo no material de divulgação estamos deixando claro a intenção do evento de preservar,” explicou Scaini.

Comerciantes preparados

Se depender do comerciante Junior Piva, de 23 anos, não vai faltar bebida, nem carne e carvão para o churrasco do público que vem à Arrancada em busca de diversão. O rapaz recentemente adquiriu um mercado que fica a poucos metros do parque de Arrancada. Com expectativa de público recorde, ele também reforçou o estoque e esperar faturar alto com o evento que fica praticamente na porta de casa. “Assim como todo comércio, estamos otimistas e esperando faturar mais. Depois de um verão não tão rentável assim por causa da crise é a última chance para vender mais,” revela.

Nos hotéis e pousadas não há mais vagas. Casas para alugar na região próximo ao parque de arrancada, também estão esgotadas e o clima é de esperança no comércio local. “Temos relatos de que o faturamento triplica durante a Arrancada de Caminhões. É um importante momento de aquecimento do comércio que fatura mais nessa época,” finalizou o prefeito.

PauloCezar2-Medium1-300x200.jpg

O GRANDE HOMENAGEADO

A Arrancada Internacional de Caminhões vai homenagear um de seus principais entusiastas. Ele é um dos empresários mais fortes de Santa Catarina e logo nas primeiras edições do evento, foi um dos primeiros a patrocinar e apostar que a iniciativa daria certo. O empresário Paulo Cezar Maciel da Silva, fundador e presidente do Grupo Santa Fé, de Florianópolis, uma companhia que ultrapassa 43 anos, é um dos empreendedores mais ousados de Santa Catarina. Começou com uma construtora de prédios habitacionais em 1972, quando ainda era estudante de Engenharia, e segue abrindo empresas.

O projeto mais conhecido é o Shopping Iguatemi Florianópolis, mas o grupo é forte nos setores de construção civil e revenda de veículos, somando, atualmente, 10 empresas e 2,5 mil empregos diretos. Nessa trajetória de quatro décadas, Paulo Cezar também iniciou um grande negócio na área automotiva. Em 1987, iniciou a produção de caminhões e chassis para ônibus com a marca Matra, às margens da BR-101, na Grande Florianópolis. Como a economia estava à deriva nesse período e o dinheiro sumiu com o Plano Collor, fechou a empresa em 1991. Outro grande projeto é um centro comercial com quatro blocos às margens da SC-401, uma das regiões mais valorizadas do norte da Capital.

Paulo Cezar Maciel da Silva tem 66 anos, é natural de Araranguá, engenheiro civil graduado pela PUC, de Porto Alegre. Filho de empresário do setor de comércio de veículos, estreou nos negócios mesmo antes de se formar. Fundou, com mais dois sócios engenheiros, a Empresa Nacional de Engenharia (ENE) em 20 de março de 1972, com atuação no Sul de SC e no Rio Grande do Sul. Outros negócios foram abertos no Sul do Estado e em Florianópolis. É casado com Graça Orige Silva há 42 anos, tem dois filhos, Juliana e Vicente, e duas netas, filhas de Vicente.