A continuidade das oficinas do projeto A Turminha do Sulca vem incentivando e reforçando o interesse das crianças pela educação financeira. Com o intuito de ensinar sobre a importância de economizar para o futuro e participar do orçamento familiar, as atividades são realizadas em sala de aula através de jogos teatrais financeiros e servem como instrumento e auxílio facilitando a compreensão dos alunos.

Além disso, as oficinas também promovem a inclusão social de muitos alunos com duras realidades fora da escola, trazendo-lhes a esperança de um futuro melhor economicamente para poderem realizar seus sonhos. Uma das novidades da Turminha do Sulca deste ano é a expensão para o ensino fundamental 2, atendendo alunos do sexto ao nono ano, onde os mesmos participam de um vídeo interativo que é divulgado no canal do Sicoob Credisulca, onde eles contam de uma maneira divertida e descontraída o que aprenderam sobre educação financeira durante as oficinas.

Até o momento foram visitadas 110 escolas dos municípios da região Sul, onde o projeto está sendo muito bem aceito pelos alunos, professores, coordenadores e diretores. A ministrante da oficina Diana Araujo Manenti conta que já pode perceber o melhor entendimento dos jovens que passaram pelas oficinas nos anos anteriores obtendo um desenvolvimento cada vez melhor.

“Na continuidade das ações identificamos que alunos com dificuldades de aprendizagem em matemática por exemplo, demonstram grande capacidade de compreensão através dos jogos teatrais propostos.” Ela também conta que o projeto serve também de estímulo aos professores do uso da arte como ferramenta para diversificar o ensino e que trabalhar a educação financeira desde a infância é investir na formação de cidadãos responsáveis, capazes de sonhar e realizar seus sonhos.

A Idealizadora do projeto Eveline Marcon Francisco Dagostin ressalta que “A educação financeira visa auxiliar crianças, adolescentes e jovens adultos na administração dos seus rendimentos e em suas decisões de poupar, investir, além de ajudar na formação de consumidores mais conscientes. Preocupa-se, também, com a questão social, buscando formar pessoas mais responsáveis e comprometidas com o futuro. Esta iniciativa surgiu com a percepção de que a relação entre as pessoas e seu dinheiro é complexa e, por isso mesmo, gera efeitos pessoais e profissionais como: estresse, baixa autoestima e queda de produtividade. Essas consequências, e outras tantas podem ser significativamente amenizadas através do processo de educação financeira”.

Segundo Kiyosaki e Lechter (2000), fundamentos financeiros deveriam ser ensinados desde os primeiros anos escolares uma vez que este será um assunto que acompanhara qualquer indivíduo ao longo da sua vida. Além disso, será um dos fatores preponderantes para aqueles que pretendem gozar de uma saúde financeira equilibrada e tranquila.

Fonte: Darline Minatto - Sicoob Credisulca