Os problemas com a poeira acabaram, as quedas de energia foram superadas, agora o Parque Industrial de Araranguá, instalado em 2011, depende apenas dos próprios empresários para progredir. É o que analisam os atuais empresários que estão instalados desde que iniciou o novo centro de desenvolvimento econômico da Cidade das Avenidas.

Na constatação do proprietário da distribuidora Nutricional, Jairo Luiz de Souza, de 54 anos, muito se fala em expandir o parque, para novas empresas serem instaladas, no entanto, a capacidade atual não chega a 40% de empresas instaladas.

MG_0800-e1450357855398-200x300.jpg
Jairo é proprietário da distribuidora Nutricional (Fotos: David Cardoso)

“Antes de novas indústrias se instalarem no parque, as que já tem um terreno, precisam se mobilizar e construir. Quem não quer, ou não tem condições de se instalar, a prefeitura tem o direito de ceder estes terrenos à outras empresas que tenham necessidade e capacidade para instalar-se,” pontuou o empresário.

Jairo foi um dos que lideraram a comitiva de empresários que buscaram junto aos políticos da região, o asfalto da Rua Thiago Dias Lúcio. Ele lembra que a principal reclamação das mais de 18 empresas que ainda não se instalaram, era por causa da poeira.

“Então cada um tem que fazer a sua parte, eu acho que a parte da política foi feita, agora depende deles, porque para termos novas conquistas, vai depender das indústrias se instalarem. Assim, quando forem surgindo as necessidades, vamos correr atrás,” afirmou.

Os ganhos com a instalação de novas empresas

O Parque progrediu em muitos aspectos nos últimos cinco anos. Mas um local que pretende ser referência quando o assunto é prosperidade econômica, ainda engatinha quando o assunto é progresso. Afinal, o Parque hoje não conta com uma estrutura mínima de serviços de alimentação e transporte, por exemplo.

E justamente o que poderia trazer este novo desenvolvimento estrutural ao local, passa pela instalação das empresas que já contam com espaço assegurado desde o início do projeto, quando foi idealizado na administração do ex-prefeito Mariano Mazzuco.

Para Jairo, o Parque não pode ficar estagnado. “Quanto mais indústria, mais forte fica o parque, quanto mais indústrias, mais conquistas vamos ter, disso eu não tenho dúvida,” salientou.

O Parque Industrial conta com 12 empresas instaladas, que geram em média mais de 200 empregos. Se já estivesse com a capacidade 100% ocupada, o Parque estaria funcionando a pleno vapor com mais de 30 empresas, gerando aproximadamente mil empregos diretos. Uma demanda que mobilizaria os meios públicos e privados, a ofertas serviços como linhas de ônibus, restaurantes, farmácias entre outros, que fazem falta a um local que fica distante do Centro Urbano.

“E o parque precisa disso, não adianta comprarem mais áreas, para expandir o parque, se as que já tem um terreno não se instalam,” concluiu Jairo.