Uma cidade abençoada por Deus no quesito belezas naturais, também será abençoada pela tecnologia. Com a atuação da Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC, desde 2009 no município, com os cursos de Engenharia da Computação, Engenharia de Energia e Tecnologia da Informação e Comunicação – TIC, Araranguá é um dos poucos municípios com um real potencial de ser referência em tecnologia.

Sandro-Maciel-3-200x300.jpg
Projeto de Lei é de autoria do Executivo (Foto: Arquivo W3)

Visando o futuro, o prefeito Sandro Maciel enviou e aprovou em novembro deste ano, na Câmara de Vereadores, uma lei que dispõe sobre sistemas, mecanismos e incentivos à atividade tecnológica e de inovação, visando o desenvolvimento sustentável. Além disso, na aprovação do orçamento municipal para 2016, Maciel garantiu o repasse de 2% do Imposto Sobre Serviços – ISS, para a criação de uma incubadora e futuramente, um Centro tecnológico no município; tudo isso tendo o primeiro passo já no próximo ano.

“O número de formados em Florianópolis é inferior as demandas que o setor tecnológico exige. Araranguá vai ser a cidade que mais vai formar, daqui há alguns anos, pessoas na área da tecnologia. Então para nós é fundamental investir nesta área,” disse o prefeito.

Sandro ainda ressaltou que a indústria da tecnologia traz um bom retorno financeiro para o município e é um setor limpo, que não poluí o meio-ambiente. “Nossa ideia é criar uma incubadora, para incentivar acadêmicos e formados. No início estarão se instalando no local, pequenas e médias empresas do setor, mas a aposta é trazer empresas de fora que queiram se estabelecer em Araranguá,” comentou Maciel.

Araranguá já abriga as startups

Com os cursos de tecnologia da UFSC completando seis anos, Araranguá já começa a produzir os novos talentos no ramo. E aos poucos, já começam a surgir bons exemplos de acadêmicos que se uniram para criar a sua própria startup. É o caso de sete acadêmicos, do curso de Tecnologia da Informação e Comunicação-TIC, que juntos criaram no início deste ano a Coffee Addict – Game Studio.

MG_4642-300x200.jpg
Startup Coffee Addict já atua na área em Araranguá (Foto: David Cardoso)

Startup que nasceu nos corredores da UFSC de Araranguá, uniu acadêmicos de Araranguá e de outras cidades, para juntos elaborarem jogos digitais. Sediada no Centro da cidade, a startup está desenvolvendo o jogo “Blade & Bones”, com temática de luta com espadas. A criação já foi postada em uma famosa loja de games, sendo aprovado pela comunidade e tem previsão de ser lançada no mercado em fevereiro de 2016.

“Existe esta paixão pelo desenvolvimento de jogos, entre todos os participantes da Coffee Addict. E nosso objetivo é desenvolver jogos para serem vendidos em lojas como a Steam, Sony e Microsoft,” comentou o acadêmico de TIC, Leonardo Rocha, de 19 anos, membro da startup.

O jovem estudante revela que no Brasil não existem muitos incentivos para a criação de startups ou para o desenvolvimento da tecnologia. “Tivemos muita dificuldade no início, sofremos até com a burocracia da Receita Federal. Esta iniciativa da incubadora pode ajudar muitos acadêmicos a se estabelecerem em Araranguá,” lembrou Rocha.

Parceria Governo Municipal – UFSC e ACIVA

As negociações para o incentivo, entre Poder Público e privado, começaram há dois anos, conforme explicou o professor da UFSC, Paulo Esteves. Para que a incubadora seja realidade já em 2016, a UFSC está desenvolvendo o projeto, e conta com o apoio da Associação de Empresários – ACIVA e prefeitura, para transformar Araranguá em um Polo Tecnológico.

Paulo-Steves-1-300x200.jpg
Segundo Paulo, Araranguá irá ser uma referência entre o Sul de Santa Catarina e o Norte do Rio Grande do Sul (Foto: David Cardoso)

Segundo Paulo, Araranguá irá ser uma referência entre o Sul de Santa Catarina e o Norte do Rio Grande do Sul, atraindo investimentos de pequenas e grandes empresas ao município. Para a incubadora sair do papel, a Fundação Centro de Empreendedorismo e Inovação do Vale do Araranguá – Fundação CRIAR, está sendo criada, com a participação da Sociedade Civil organizada, representantes dos empresários – Aciva e do Governo Municipal, para gerir o novo celeiro da tecnologia na região.

“A incubadora será guiada por um conselho, com representantes do setor público, privado e empresários, para que a incubadora beneficie todas as entidades de ensino da cidade,” revelou Esteves.

Ele ainda pontuou que no primeiro ano, aproximadamente R$ 2 milhões serão investidos, via recursos do ISS, para a reforma e instalação da incubadora. O local pretendido pela Administração Municipal é o prédio do Colégio CAIC, no bairro Jardim das Avenidas, que ficará desocupado após a inauguração do novo prédio escolar, que fica ao lado do atual. “O projeto é para ser implantado até 2017, e no futuro, com a consolidação da incubadora, o passo seguinte é a criação de um polo tecnológico, tornando Araranguá uma referência estadual no setor,” concluiu Esteves.